Fiesp vê acomodação na criação de vagas na indústria

O diretor do Departamento de Economia da Fiesp, Paulo Francini, afirmou hoje que a geração de empregos industriais em São Paulo passa por um processo de acomodação, dado que, em maio, foi registrado o aumento de 0,06% em relação a abril, com ajuste sazonal. "Não se trata de um crescimento, mas de estabilidade. Estamos atentos pois há indicações de que a vaca está na direção do brejo. Pode ser que a vaca vá apenas tomar um pouco d''água. Mas não temos certeza da tendência do nível de emprego no médio prazo, pois precisamos de mais informações para determiná-la", disse.Francini apontou que há uma possibilidade de que o nível de emprego da indústria de São Paulo registre um resultado negativo em junho ante maio (na série com ajuste sazonal). Segundo o diretor da Fiesp, a desaceleração da geração de postos de trabalho das empresas manufatureiras paulistas não está diretamente relacionada com o aperto monetário adotado pelo Banco Central em abril."Há uma confluência de fatores que está determinando a redução do fôlego do nível de emprego. Ocorreu o aumento do IOF, que elevou a pressão sobre o consumidor, especialmente aquele que tem acesso ao crédito, a elevação dos preços dos alimentos, agora recentemente surgiram os aumentos da Selic e ocorreu o grau de investimento, o que colabora para a valorização do câmbio e redução da competitividade da indústria nacional", afirmou. O dirigente da Fiesp frisou que só o tempo poderá indicar se os aumentos de juros atuais adotados pelo BC poderão causar efeitos expressivos sobre o nível de atividade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.