Figueiredo: medidas para reduzir riscos no crédito

O diretor de Política Monetária do Banco Central (BC), Luiz Fernando Figueiredo, disse há pouco que o Banco Central pretende permitir que as instituições financeiras possam negociar o risco de uma operação de crédito com outra instituição. "Uma instituição financeira pode negociar toda uma operação de crédito ou somente a parte referente ao risco desta operação", disse Figueiredo. Havendo o repasse do risco de crédito, a instituição financeira adquirente do risco receberá um prêmio caso o tomador de empréstimo liquide a operação no prazo previsto. "Ele receberá um prêmio por ter garantido a operação de crédito", disse Figueiredo. Como exemplo, o diretor do BC ressaltou que nos Estados Unidos os bancos ficam com apenas 10% a 20% do valor do empréstimo concedido no vencimento da operação. "Isto dá mais liberdade para que a instituição financeira faça novas operações de crédito", afirmou Figueiredo. No Brasil, a tradição é de que os bancos carreguem toda a operação de crédito até o seu vencimento final. Queda do compulsórioAinda, segundo o diretor BC, no futuro, o compulsório retido pelos bancos dos depósitos à vista deve cair para um patamar entre 15% e 20%. "Mas isso é no longo prazo e está relacionado à política monetária", disse Figueiredo ao responder por que o Banco Central não anunciou uma nova redução no compulsório durante apresentação feita hoje das novas medidas que serão implementadas para reduzir juros e spreads bancários no País. Atualmente, o compulsório de depósitos a vista é de 45%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.