Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Figueiredo: seja qual for o eleito, ajuste virá em 2015

Seja qual foi o presidente eleito em outubro, um ajuste macroeconômico terá de ser feito, diz o sócio da Mauá Sekular Investimentos, Luiz Fernando Figueiredo. Segundo ele, o que vai diferir entre os atuais candidatos é a velocidade desse ajuste. Para Figueiredo, o governo tenderia a fazer um ajuste mais gradualista, como vem sendo feito em diversas áreas, como em energia. Já a oposição teria disposição para fazer isso num prazo menor.

FERNANDO TRAVAGLINI, Agencia Estado

10 de abril de 2014 | 16h54

"Ajustes mais curtos trazem mais benefícios, pois contam com as expectativas a seu favor. Quando os agentes não têm confiança de que a situação ficará melhor, a própria situação atual piora", disse Figueiredo em evento do EMTA, na sede do HSBC, em São Paulo. Sobre inflação, Figueiredo disse não ver convergência dos preços - e que o próprio BC não enxerga convergência da inflação para a meta de 4,5%, segundo o que está na ata do Copom divulgada nesta quinta-feira, 10.

Tudo o que sabemos sobre:
Figueiredoajuste2015

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.