Filas pelo FGTS vão continuar até agosto

Só no fim de agosto as filas intermináveis, os problemas de rede e o congestionamento no site de acesso da Caixa Econômica Federal irão melhorar. A previsão foi feita ontem pelo diretor de Transferência de Benefícios da Caixa, José Renato Corrêa de Lima. Até lá, trabalhadores e aposentados que têm direito a receber a diferença das contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) continuarão enfrentando até 8 horas de filas nas agências."Fizemos um investimento imenso e contamos com toda uma rede alternativa, além das nossas 2 mil agências, mas é impossível atender a todos ao mesmo tempo", diz Lima. Segundo ele, nos horários de maior movimento, que inclui o expediente bancário, a instituição está registrando média de 3 mil tentativas de acesso por segundo ao site www.fgts.caixa.gov.br.Lima explica que a procura é concentrada neste mês, pois o pagamento é dirigido para quem tem até R$ 1 mil a receber. "É a grande maioria das contas." Para evitar tumultos, ele pede calma à população. "Todos que assinaram o termo de adesão podem ficar tranqüilos que o dinheiro já foi creditado na conta vinculada."Lima pede ainda para aqueles que não têm direito ao saque imediato - ou seja, não foram demitidos dos empregos que tinham em janeiro de 1989 e abril de 1990, época dos planos Verão e Collor 1 - que deixem para procurar a Caixa mais tarde. O pedido também vale para quem não tem conta inativa (sem movimentação de depósitos) e nem se aposentou. É que esses trabalhadores terão o crédito depositado na própria conta do FGTS.Pelos dados da Caixa a liberação do dinheiro já atingiu o pico de 700 mil pagamentos por dia e os termos de adesão, desde o início do crédito, em 11 de junho, não param de chegar. Já foram contabilizadas mais 5 milhões de adesões, além das 17 milhões que a Caixa tinha computado em junho. Até 5 de julho foram creditados na conta corrente indicada pelos trabalhadores R$ 1,21 bilhão. Mais R$ 240 milhões foram pagos nos caixas e outros R$ 9,5 milhões liberados mediante convênio com as empresas. Lima admite que ainda há muito a ser feito. Pelo levantamento inicial da Caixa, 5,4 milhões de trabalhadores, detentores de 16.264.989 contas de FGTS tinham optado pelo depósito do crédito complementar em conta corrente. Nessa transferência de recursos existe, inclusive, limitação do próprio Sistema de Pagamentos Brasileiro, que só comporta 400 mil ordens por dia. A Caixa vem usando 350 mil para fazer esse crédito complementar.Hoje começa o pagamento para os trabalhadores nascidos em julho, agosto e setembro e que têm até R$ 1 mil a receber. No dia 17 será a vez dos nascidos no último trimestre. A Caixa ainda não anunciou a data da liberação da primeira parcela para quem tem créditos de até R$ 2 mil, mas diz que será neste mês. A segunda cota será paga em janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.