'Filha minha não vota contra a Previdência', diz Roberto Jefferson

'Filha minha não vota contra a Previdência', diz Roberto Jefferson

Presidente do PTB, o ex-deputado se mostrou surpreso e deu um 'puxão de orelha' na filha Cristiane Brasil (PTB-RJ) por se declarar indecisa no placar do Estadão sobre a votação da reforma

Daiene Cardoso e Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

08 Dezembro 2017 | 19h31

BRASÍLIA - Presidente do PTB, o ex-deputado Roberto Jefferson se mostrou surpreso e deu um "puxão de orelha" na filha Cristiane Brasil (PTB-RJ) por se declarar indecisa no placar Estadão sobre a votação da reforma da Previdência. Na semana em que a legenda decidiu fechar questão a favor da reforma, Jefferson disse que a deputada não se mostrou indecisa para ele e que ela vai votar com o governo.

"Comigo não é essa a conversa. Ela pode estar querendo se poupar de pressões, de começarem a chateá-la, mas a Cristiane vai votar com o partido, tenha certeza disso", garantiu. A deputada não foi localizada para comentar a declaração do pai. "Filha minha não vota contra a reforma da Previdência", completou.

++Reforma da Previdência continuará na pauta mesmo se não for votada até dia 19, diz Maia

Se a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) for levada a plenário, o presidente do PTB disse que a bancada terá 17 deputados na sessão (incluindo o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira), mas só três votarão contra o texto: Arnaldo Faria de Sá (SP), Deley (RJ) e Sérgio Moraes (RS), este último ainda com chances de mudar o voto. "Nem vou pedir a eles para evitar constrangimento", afirmou o presidente da sigla.

A infidelidade, no entanto, deverá ser punida em ano eleitoral. "Eles vão ter punição, vão ser tratados desigualmente. A justiça está em tratar desigual os desiguais, mas isso é lá na frente. Ninguém vai ser expulso, mas não terão o mesmo tratamento dos outros que votam com o partido", avisou Jefferson.

++Entenda o vaivém da reforma da Previdência   

O ex-deputado, condenado no processo do mensalão, chegou a propor em reuniões com o presidente Michel Temer que parlamentares infiéis fiquem sem acesso a recursos dos fundos públicos que abastecem campanhas eleitorais no ano que vem.

Ao Estadão, quatro deputados da bancada disseram que estão indecisos ainda e apenas cinco confirmaram que acompanharão a orientação partidária. Além de Cristiane, o líder Jovair Arantes (GO) respondeu que ainda não decidiu como votará. "Jovair também votará, ele está ajudando a construir esse grupo de votos que podemos levar (para o governo)", enfatizou o presidente do PTB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.