Filhos pedem interdição do presidente de honra do Real Madrid

Família teme pela fortuna acumulada pelo ex-jogador que decidiu casar-se aos 86 anos com secretária de 36

Economia & Negócios,

08 de maio de 2013 | 12h48

 

MADRI - Os cinco filhos de Alfredo Di Stéfano, presidente de honra do Real Madrid, decidiram pedir à justiça para interditá-lo judicialmente como incapaz, segundo informou a agência de notícias Efe. O pedido envolve a herança milionária do ex-jogador, ex-treinador e empresário.

A petição chega poucos dias depois que Di Stéfano anunciou seu desejo de casar-se aos 86 anos com sua secretária Gina de González, que tem 50 anos a menos que ele: 36.

A história do ex-jogador da seleção argentina confunde-se com a do Real Madrid. Com ele em campo o time ganhou fama de imbatível na Espanha e na Europa. Sua velocidade e a cor dos cabelos lhe renderam a alcunha de "A Flecha Loira".

Agora, a fortuna acumulada ao longo da carreira como jogador, técnico e presidente de honra de um dos maiores clubes do mundo virou motivo de disputa judicial por causa da sua decisão de casar com a porto-riquenha Gina de González.

"Diante da deterioração evidente das faculdades mentais e físicas observada em nosso pai há meses, seus cinco filhos tomamos a decisão de solicitar aos juízes competentes, em seu exclusivo interesse, sua declaração de incapacidade, promovendo de forma simultânea a adoção de medidas cautelares, para preservar o seu patrimônio", diz a nota oficial da família.

O mítico jogador tem relação com a secretária há três anos, mas ela nunca foi bem vista pela família e nem pelo Real Madrid, que chegou a vetar sua presença no camarote de honra do estádio Santiago Bernabéu. O veto foi revisto depois que Di Stéfano ameaçou não ir mais aos jogos sem a companheira.

"Me caso porque quero e estou a oito anos viúvo. Cada louco com sua mania. Estou apaixonado e me caso com Gina. Tenho o coração jovem", explicou o ex-jogador.

 

Di Stéfano afirma que deseja se casar o quanto antes, se possível em 15 dias ou um mês. Ele conheceu Gina González quando ela se apresentou como jornalista e fã do ex-jogador.

Nos últimos três anos, ela virou a principal assessora do presidente de honra do Real Madrid. Atende ligações telefônicas para ele, cuida da sua agenda e da sua saúde. Com um implante de marca-passos há oito anos, Di Stéfano foi internado com problemas cardíacos recentemente e teve alta dia 12 de abril.

Após ficar viúvo de Sara Freites, Di Stéfano foi morar com a filha Nannette Norma, que morreu no ano passado aos 60 anos.

"Consideramos que seu estado atual de vulnerabilidade, além da sua evidente projeção midiática, podem determinar condutas abusicas sobre a sua pessoa, que pretendemos evitar através do amparo judicial solicitado, uma vez que pretendemos proteger a imagem e hnorabilidade, tanto do nosso pai como da nossa família", diz a justificativa dos filhos.

 

Tudo o que sabemos sobre:
REal MadridDi Stéfanoherança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.