Filhos suspeitam que Alcântara Machado foi envenenado

O empresário Caio de Alcantara Machado, de 77 anos, que morreu na madrugada do dia 20 em São Paulo pode ter sido assassinado por envenenamento. A acusação foi feita à polícia pelos filhos Luís Augusto de Alcantara Machado e Eduardo de Alcantara Machado. O corpo deveria ter sido cremado na manhã de hoje, o que foi impedido por uma ordem da juíza Ivana Boriero, do Departamento de Inquéritos Policiais (Dipo).A juíza determinou que o corpo fosse transferido para o Instituto Médico-Legal (IML), onde ficará por 15 dias para que sejam feitos os exames necessários. Luís Augusto e Eduardo apresentaram à polícia um relatório assinado pelo médico Alexandre Eduardo Nowil indicando a suspeita da morte por "intoxicação exógena". O envenenamento, segundo os filhos de Alcantara Machado, teria ocorrido na casa de Adelina Silveira, amante do empresário e mãe de Ana Tereza de Alcantara Machado, na Serra da Cantareira.O empresário morreu na madrugada de quarta-feira, vítima de parada cardíaca. O velório ocorreu na Assembléia Legislativa. Tudo estava pronto para a cremação quando chegou a ordem da juíza. "É preciso que se faça um exame toxicológico, uma nova necropsia, para sabermos a causa da morte. A juíza determinou que o corpo fique por 15 dias no IML para que as dúvidas sejam eliminadas", disse o delegado Manoel Adamuz, titular do 4.º Distrito, da Consolação, que instaurou inquérito de "morte a esclarecer". Leia mais em O Estado de S. Paulo

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.