Filme motiva campanha contra falsificação de nota de R$ 50

Na esteira do filme "O Homem que Copiava", o Banco Central aproveitou para intensificar a campanha educativa de alerta contra a falsificação da nota de R$ 50,00. Dirigido pelo cineasta Jorge Furtado e rodado em Porto Alegre, o filme conta a história de um jovem que trabalha numa copiadora e falsifica notas de R$ 50,00 na tentativa de arrumar dinheiro para conquistar a mulher por quem é apaixonado.Um folheto do BC "Aprenda a reconhecer o verdadeiro real. Todo mundo só tem a lucrar com isso", com informações sobre a forma de identificação das notas verdadeiras, vem sendo distribuído em algumas salas de cinema onde o filme está sendo exibido. "Verificamos a possibilidade de uma propaganda gratuita de esclarecimento", disse o chefe do Departamento de Meio Circulante do BC, José dos Santos Barbosa. Segundo ele, o filme deu um "bom ibope", chamando a atenção para o problema da falsificação. "Está dando certo. As pessoas estão prestando mais atenção.".Pelos dados do BC, a falsificação da nota de R$ 50,00 está aumentando. Em 2002, o BC registrou 180 mil notas falsificadas. Esse ano, as notas falsas de R$ 50,00 já somam 168 mil. Barbosa informou que o BC está trabalhando para dotar a cédula de R$ 50,00 com novos instrumentos de segurança. A nota poderá, inclusive, ser modificada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.