Fim de racionamento no Sudeste e Centro-Oeste ainda indefinido

O presidente do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Mário Santos, apresentou ao presidente Fernando Henrique Cardoso e aos intergrantes da Câmara de Gestão da Crise de Energia Elétrica (GCE) previsões de que os reservatórios das hidrelétricas nas regiões Sudeste e Centro-Oeste alcançarão, no fim deste mês, 48,20% de sua capacidade total, na perspectiva mais otimista, e 44,60% na mais pessimista. "São sinais alvissareiros, mas não nos dão certeza do que vai ocorrer", ponderou Santos. O presidente da GCE, ministro Pedro Parente, disse que é difícil fazer previsões para as regiões Sudeste e Centro-Oeste, porque são áreas de transição de clima.Ontem, o ministro de Minas e Energia, José Jorge, havia dito dito que, se os reservatórios alcançassem 50% de sua capacidade, poderia ser decretado o fim do racionamento. Segundo o ONS, ontem os reservatórios das duas regiões alcançaram 36,34% de sua capacidade. No Nordeste, o nível registrado, também ontem, foi de 21,35%. A previsão é de que os reservatórios desta região cheguem, até o fim do mês, a 31% de sua capacidade. ?Ajuda divina?Mário Santos disse, também, que a afluência (volume de água que chega aos reservatórios) está 3% acima da média histórica e que, no mesmo período do ano passado, estava 30% abaixo da média histórica. "Isso não foi fruto do trabalho desta câmara. Foi Deus", interveio o presidente Fernando Henrique Cardoso, bem-humorado, referindo-se às recentes chuvas. O presidente fez questão de observar, também, que a economia de energia, de junho a dezembro do ano passado, foi de 21% no Sudeste e Centro-Oeste, na comparação com o de 2000, e de 20,2% no Nordeste.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.