Wilton Junior|Estadão
Wilton Junior|Estadão

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Fim do bônus demográfico alerta para reforma da Previdência

Números do Ipea mostram que população está envelhecendo mais rapidamente do que o previsto anteriormente

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2018 | 19h57

BRASÍLIA- O número de brasileiros com 65 anos ou mais vai crescer a uma média de 2,7% ao ano até 2060, um ritmo muito superior ao avanço médio anual da população geral (0,2%), segundo cálculos do pesquisador Rogério Nagamine, coordenador de Previdência no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Enquanto isso, a participação dos brasileiros em idade ativa (que têm entre 15 e 64 anos) na população total já está encolhendo, antecipando o fim do chamado “bônus demográfico”, quando há expansão no número de pessoas produzindo e gerando riqueza para a economia em relação aos inativos.

Os dados sinalizam a urgência da aprovação de reforma da Previdência, avalia o pesquisador. “O Brasil vai ter que se preparar para uma mudança rápida como essa. Na Previdência, infelizmente não estamos nos preparando porque há resistência em fazer a reforma”, alertou Nagamine. Para ele, o tema é “extremamente urgente” e deveria ser tratado pelo próximo presidente da República, apesar de reconhecer de que é uma “agenda política complicada”.

A população acima de 65 anos reúne hoje 19,2 milhões, mas vai chegar a 58,2 milhões em 2060, ou seja, o triplo do contingente atual. Já os brasileiros em idade ativa são hoje 144,7 milhões e cairão a 136,5 milhões em 2060. Os dados foram compilados a partir das Projeções de População divulgadas na quarta-feira, 25, pelo IBGE.

Previsões anteriores indicavam que o bônus demográfico brasileiro terminaria só em 2023. Uma janela de oportunidade de cinco anos para que o governo e o Congresso Nacional pudessem fazer reformas nas regras de aposentadoria e pensão no País. Agora, os dados mostram que esse tempo já acabou sem que o Brasil tenha feito mudanças estruturais no sistema previdenciário.

“A população dependente (crianças e idosos) está crescendo mais do que as pessoas que geram riqueza, e isso se dá pelo rápido processo de envelhecimento, já que a população jovem continua diminuindo. Isso não gera perspectiva de melhora futura”, advertiu o secretário de Previdência, Marcelo Caetano.

O governo do presidente Michel Temer tentou aprovar uma reforma da Previdência, mas foi derrotado pela falta de apoio político à proposta e também pela sucessão de denúncias contra o emedebista.

Para Caetano, apesar de o bônus demográfico ter acabado cinco anos antes do previsto, ainda há tempo hábil para fazer uma reforma “preventiva”, com regras de transição. “Mas o próprio fim do bônus demográfico indica que esse tempo está chegando a um limite”, ressaltou o secretário. Quanto maior for a demora, mais agressiva terá de ser a proposta de mudança, avisou Caetano. “A reforma da Previdência se torna cada vez mais urgente.”

De acordo com a análise do Ipea, a proporção de pessoas em idade ativa, que hoje é de 69,43% em relação ao total, cairá a 59,8% no fim do período estimado. “O pico da participação das pessoas em idade ativa na população total foi em 2017. A partir de 2018, começa a cair e vai cair cada vez mais. É nesse sentido que dizemos que o bônus demográfico já acabou”, afirmou Nagamine.

As repercussões do rápido envelhecimento devem ser sentidas não só pela Previdência, mas também no sistema de saúde no País. Um sinal disso é que, com o aumento da expectativa de sobrevida da população, o número de brasileiros com 80 anos ou mais vai quase quintuplicar entre 2018 e 2060, passando de 4 milhões para 19 milhões. Um crescimento médio anual de 3,7%, nos cálculos de Nagamine.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.