finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Fim do 'patrimonialismo' é posto à prova

O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2015 | 02h02

CENÁRIO: Lu Aiko Otta

Mais do que cortes de gastos ou aumento de impostos, boa parte do discurso de posse do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, foi dedicado a atacar o "patrimonialismo" e a destacar a importância de garantir oportunidades iguais para todas as empresas, como instrumento para a retomada da confiança, do investimento e do crescimento econômico. Pois é justamente esse ponto que está sendo posto à prova com as demissões nas montadoras do ABC paulista.

Levy não foi explícito no discurso, mas se referia às medidas adotadas pelo governo nos últimos anos para ajudar empresas e setores específicos, por critérios nada transparentes. Ele pregou, segundo esclareceu um auxiliar, o "fim do clube de amigos". Estavam na mira os empréstimos subsidiados do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e as desonerações tributárias - os dois instrumentos que corroeram os resultados das contas públicas. E as montadoras são antigas beneficiárias de reduções de impostos federais.

Para reforçar a ideia, Levy invocou uma "afinidade de pensamento" com a presidente Dilma Rousseff. No discurso, e na entrevista concedida após a cerimônia, o ministro disse estar citando as palavras da chefe em sua diplomação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Naquela ocasião, Dilma pregou o fim da "herança patrimonialista". Mas ela se referia aos casos de corrupção. Levy teria pego emprestado apenas a ideia da relação pouco clara entre o público e o privado.

Mas, diante das demissões, Levy e seu colega do Planejamento, Nelson Barbosa, foram chamados ao Planalto para defender o fim das ajudas pontuais ao setor. Mesmo sem as montadoras terem formalizado qualquer proposta, há na área política quem ainda pense em medidas de socorro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.