Fim do racionamento não é eleitoral, diz Parente

O presidente da Câmara de Gestão da Crise de Energia Elétrica (GCE), ministro Pedro Parente, informou, em nota informativa distribuída no Palácio do Planalto, que a eventual decisão da GCE de anunciar, dia 19, a suspensão do racionamento de energia em todo o País estará tecnicamente fundamentada em indicadores precisos fornecidos pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e avalizados pelo Núcleo Executivo da GCE. Rebatendo alegações segundo as quais a suspensão do racionamento seria precipitada e teria motivações eleitorais, Parente, que se encontra na Europa realizando um ciclo de palestras, disse que essas alegações possivelmente refletem falta de informação ou má-fé. "Estamos absolutamente seguros do que estamos fazendo, e eu assumo toda a responsabilidade pelo que for proposto ao presidente da República", assegura Parente. "Eu nunca iria propor algo que tivesse risco". O ministro reafirma, na nota, sua "irrestrita confiança nas projeções do ONS, com respaldo na rigorosa aprecisão dos dados que permitiram a definição, em maio de 2001, da curva-guia de segurança que foi utilizada durante o restante do ano para administrar a crise".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.