Fim do subsídio aumenta preço do celular

A estratégia de atuação das companhias de telefonia celular deve penalizar o consumidor que pretende comprar uma linha celular agora. Desde o início do ano, as operadoras têm diminuído o subsídio nos aparelhos. Com isso, a empresa aumenta sua margem de ganho, pois repassa o custo total do produto. Quem perde é o consumidor.Até abril desse ano, a BCP oferecia subsídio de R$ 150 nos aparelhos pré-pagos. O consumidor comprava o equipamento por R$ 199. O baixo preço atraiu um grande número de usuários. De acordo com Fábio Coelho, vice-presidente da BCP, a estratégia não foi vantajosa para a empresa."Hoje nosso objetivo é vender serviços e minutos. Nessa direção, comercializar pós-pagos traz um lucro maior para a companhia", declara. O resultado foi que o preço do pré-pago e do pós pago estão em patamares iguais para o consumidor, R$ 400,00.Telesp Celular, concorrente da BCP, reduziu seus subsídios para valores em torno de R$ 20. Um dos modelos pré-pagos sai por R$ 199 mais seis parcelas de R$ 25, que são pagas nas recargas de créditos de R$ 50. Esse parcelamento pode se estender por um ano e meio, considerando uma recarga a cada três meses. O aparelho sai por quase R$ 350. Tendência de redução de subsídios atinge outras regiões do País A Tele Nordeste Celular também está revendo sua estratégia. A companhia não prioriza mais a conquista de novos clientes e, por isso, retirou todo o subsídio antes oferecido. O preço do aparelho para o consumidor era de R$ 200,00 no início do ano. Subiu para R$ 250,00 em abril. A empresa passou a oferecer benefícios para garantir a fidelização do cliente, como a redução de tarifas e minutos gratuitos na conta telefônica.No caso da Tele Celular Sul, o subsídio também foi retirado em abril. No início do ano, o aparelho pré-pago mais barato custava R$ 249,00 e o pós-pago, R$ 299,00. Agora, em ambos os casos, o preço mais baixo é de R$ 329,00. Joana Serafim, responsável por Relações com o Mercado, informa que a companhia tirou o subsídio mas oferece minutos de conversação. O benefício vale apenas para os clientes do pós-pago.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.