Financial Times destaca metas "ambiciosas" do Brasil

O jornal britânico Financial Times considera "ambiciosas" as metas de inflação traçadas ontem pelas autoridades brasileiras, mas pondera que as projeções sinalizam aos investidores que o recente imbróglio político não deve afetar a política monetária. Em matéria publicada hoje, o FT destaca que, mesmo com apelos da indústria e de líderes sindicais, o Conselho Monetário Nacional fixou a meta de inflação de 4,5% para 2007, com uma margem de variação 2 pontos para cima ou para baixo. A mesma meta foi fixada para 2006. A matéria chama atenção para a defesa da atual diretriz de política monetária feita, ontem, pelo ministro da Fazenda, Antonio Palocci, durante o anúncio das metas de inflação. "O crescimento não é sustentável pela inflação mais elevada", declarou o ministro. "O crescimento econômico não será ruim este ano e que não considero haver uma exaustão no modelo econômico do governo, mas sim que há sucesso em nosso modelo", disse. O FT também dá espaço para a frase "problemas políticos se resolvem no campo político e problemas econômicos, no campo econômico". Para o jornal, o ministro insiste que o País tem maturidade suficiente para evitar que as instabilidades políticas e as alegações de corrupção contra o governo debilitem as perspectivas econômicas.Segundo a matéria, embora o banco Central tenha, freqüentemente, fracassado na proposta de alcançar a meta nos últimos anos, há indicações de que a próxima meta será atingida. Os preços aos consumidores estão se desacelerando nas últimas semanas e os IGPs, usados para calcular o aumento futuro das tarifas de energia, vêm se desacelerando nos últimos dois meses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.