Financiamento agrícola do BNDES para pessoa física cai 30%

Os financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para pessoas físicas na agricultura despencou quase 30% de janeiro a setembro deste ano e deverá fechar 2006 no pior desempenho dos últimos cinco anos. Em 2004, o valor chegou a R$ 6,3 bilhões. Neste ano, ficará pouco abaixo da metade desse valor, em torno dos R$ 2,7 bilhões. O banco avalia, contudo, que o desempenho de outubro esboça um cenário de recuperação.O superintendente de operações indiretas do banco, Claudio Bernardo Guimarães de Moraes, explica que a crise agrícola e os problemas de renda do produtor afetaram o desempenho das linhas do banco voltadas ao setor. O banco financia, por exemplo, projetos de recuperação de solo, produção avícola, irrigação, silagem e compra de equipamentos e implementos agrícolas, todos focados nas pessoas físicas.Na avaliação do especialista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o setor agrícola se endividou demais nos anos chamados anteriores, na fase da bonança, e agora, na crise, "a primeira coisa cortada são os investimentos". Para o pesquisador, as dificuldades setoriais não refletem apenas a valorização cambial ou queda de preços internacionais. O problema decorre principalmente às dívidas contraídas recentemente que se somaram a um endividamento anterior de longo prazo.O superintendente do BNDES reconhece que os valores previstos para esse ano ficarão "pouco abaixo" do desempenho do ano passado. Em 2005, os desembolsos para o segmento somaram R$ 3,9 bilhões e caso as projeções para este ano se concretizarem o será ao redor de 30%. Depois de crescerem por seis anos seguidos, os desembolsos para o segmento já haviam encolhido quase 40% no ano passado, como efeito do início da crise na agricultura.De janeiro a setembro desse ano, as liberações na linha somam R$ 2 bilhões, 29% abaixo do mesmo período do ano passado. Guimarães de Moraes argumenta que a valorização cambial e secas enfrentadas em algumas regiões, como o Sul, prejudicaram o setor. "Eles plantaram com um dólar mais alto e colheram com o dólar mais baixo", diz o executivo, explicando que, na prática, quando isso ocorre os agricultores recebem menos em reais. A avaliação, entretanto, é de que o fundo do poço já passou.Isso porque os financiamentos do BNDES ao segmento somaram R$ 150 milhões em outubro, acima da média nos meses anteriores - em agosto, o valor chegou R$ 56 milhões. O processo de renegociação das dívidas dos agricultores , regularizou em parte a situação do setor, que pode começar a retomar alguns financiamentos. Em maio, o governo permitiu prorrogação das dívidas de custeio e investimento da safra 2005/2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.