Financiamento de carros ficou mais caro

Comprar um carro financiado ficou mais caro desde a última semana do mês de março de acordo com pesquisa da Agência Estado. O aumento deve-se à elevação das taxas de juros praticadas pelos bancos que trabalham com o Crédito Direto ao Consumidor (CDC) para a aquisição de carros novos ou usados. O resultado faz parte da pesquisa mensal de taxas de juros para aquisição de veículos realizada pela Agência Estado entre os dias 2 e 5 de abril junto a 16 bancos que oferecem esse tipo de crédito, incluindo os bancos das montadoras.No levantamento anterior, realizado no dia 8 de março, a taxa média para a compra de carros novos variava entre 2,15% e 2,36% ao mês, dependendo do prazo do financiamento. Nesta pesquisa, essa variação estava entre 2,21% e 2,30% ao mês. Para os carros usados, a variação das taxas médias foi de 2,32% a 2,43% ao mês, frente a uma oscilação entre 2,27% ao mês e 2,45% ao mês na pesquisa anterior. A variação entre as taxas médias ocorre porque os planos de financiamentos têm prazos de pagamento diferentes. Pela pesquisa, os planos mais longos, de 25 a 36 meses, por exemplo, oferecem as menores taxas. Já os financiamentos parcelados em até 12 meses cobram os juros mais altos. Além disso, outra variante que pesa no cálculo dos juros cobrados pelas financiadoras é a porcentagem de entrada sobre o valor do carro. Quanto maior for a quantia paga no ato da compra, menores serão os juros sobre o restante da dívida. O mercado trabalha, geralmente, com planos de 20% a 50% de entrada. No entanto, isso não exclui a possibilidade de negociação por melhores condições.Pesquisa de mercadoDentre os bancos pesquisados, apenas três permaneceram com as taxas inalteradas em relação à pesquisa anterior, tanto para financiamento de carros novos quanto usados: Banco do Brasil, Banco Cidade e ABN Amro Bank. Dentre os bancos que reajustaram suas taxas, a maior alta verificada foi a do Bradesco. Para carros novos e usados, em um plano de 24 meses com entrada de 20% a 50%, os juros mais altos que estavam em 3,80% ao mês subiram para 5,40% ao mês, uma alta de 42%. O banco Itaú, também para compra de carros novos e usados, cobrava juros de 1,76% ao mês a 2,22% ao mês. Após o reajuste, os juros cobrados estão entre 2,17% ao mês e 2,63% ao mês.Dentre os bancos das montadoras, o Banco Fiat, que trabalhava com uma taxa de 1,88% ao mês para o financiamento de um carro zero-quilômetro em até 36 meses com entrada de 15%, está cobrando juros de 1,99% ao mês. Já o Banco Ford, para a compra de um carro novo de 13 a 36 meses com entrada de 50%, está cobrando juros de 1,99%, ante um juro de 1,85% cobrado anteriormente.Alta da Selic elevou taxas do mercadoO motivo para a alta dos juros dos bancos é a elevação da taxa básica de juros da economia - Selic - de 15,25% ao ano para 15,75% no dia 21 de março. Com a alta da Selic, a obtenção do crédito se torna mais difícil pelo fato de que o empréstimo do dinheiro fica mais caro. Além disso, com juros mais altos, os níveis de inadimplência aumentam. Com o aumento dos custos e do risco de calote, a tendência é de que os bancos repassem esse custo aos consumidores elevando os juros.

Agencia Estado,

16 de abril de 2001 | 17h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.