Tiago Queiroz/ Estadão
Tiago Queiroz/ Estadão

"be water"

Coluna Leandro Miranda: como se moldar à nova economia após a covid-19?

Financiamento imobiliário cresce 42,7% e atinge R$ 7,27 bi em janeiro

Valor considera apenas crédito com recursos da caderneta de poupança; em 12 meses volume chega a R$ 80,9 bilhões

Circe Bonatelli, O Estado de S. Paulo

28 de fevereiro de 2020 | 10h59

A concessão de financiamentos para a compra e a construção de moradias no País em janeiro de 2020 atingiu R$ 7,27 bilhões, o que representa crescimento de 42,7% em relação a janeiro de 2019 e baixa de 16,1% ante dezembro de 2019. O volume de empréstimos é o maior para o mês desde 2016. No acumulado dos 12 meses até janeiro, o crédito imobiliário totalizou R$ 80,9 bilhões, com alta de 37,9%.

O aumento na liberação de financiamentos na comparação anual indica avanço na demanda, em virtude da queda dos juros. Além dos custos para a compra do imóvel estarem menores, investidores têm optado por aplicar nessa categoria.

A queda em comparação com dezembro está relacionada a fatores sazonais, uma vez que dezembro costuma ser o mês mais forte para transações desse tipo.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira, 28, pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) e consideram apenas os financiamentos com recursos originados nas cadernetas de poupança. Não entram, por exemplo, empréstimos com dinheiro originado no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), destinados ao Minha Casa Minha Vida (MCMV).

Em termos da quantidade de imóveis, a pesquisa apontou que foram financiadas 27,9 mil unidades em janeiro de 2020, elevação de 38,9% em relação ao mesmo mês de 2019 e redução de 11,9% em relação a dezembro. Nos últimos 12 meses, os recursos atenderam 305,8 mil imóveis, alta de 31,4%.

A Caixa Econômica Federal liderou a concessão de empréstimos em janeiro, com R$ 2,668 bilhões. Em seguida vieram Bradesco (R$ 1,525 bilhão), Itaú Unibanco (R$ 1,332 bilhão) e Santander (R$ 1,217 bilhão).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.