Financiamento para o consumidor recua 0,5% em junho

Entre as empresas, clima é de otimismo com alta de 4,4% na concessão de empréstimos para bancar o aumento das vendas

Fabio Graner,Fernando Nakagawa / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2010 | 00h00

Relatório do Banco Central divulgado ontem mostra que o mercado de crédito vive duas realidades. Entre as famílias, a concessão de novos empréstimos caiu 0,5% em junho, na segunda retração seguida, e o BC admite que há sinais de "acomodação" após meses de crescimento exuberante. A parada técnica é explicada porque pessoas físicas estariam perto do limite de seu endividamento.

Entre as empresas, porém, o clima é de otimismo e a concessão de financiamentos cresceu 4,4%, com as firmas querendo bancar o aumento das vendas.

Após meses de recordes seguidos, os empréstimos para pessoas físicas dão sinais de exaustão. Na média, as famílias brasileiras tomaram R$ 3,12 bilhões em novos empréstimos a cada dia do mês passado. Foram R$ 65,5 bilhões em junho. Nos dois casos, o valor foi 0,5% menor se comparado a maio.

"É natural que haja uma acomodação desse segmento que cresceu muito nos últimos meses", avalia o chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes.

A retração dos empréstimos é um dos principais objetivos do Banco Central, que, atualmente, executa um processo de aperto monetário com o aumento do juro básico da economia, a taxa Selic. A intenção é reduzir a demanda por crédito para diminuir o ritmo da economia e, assim, evitar que a inflação saia do controle.

"A desaceleração dos empréstimos para as famílias é vista desde o fim de março, quando o mercado já se preparava para o início do aumento da taxa Selic. Nessas situações, os próprios bancos passam a ofertar menos crédito. Essa inflexão do mercado era uma questão de tempo", diz o professor de finanças do Insper, Ricardo José de Almeida.

O especialista aposta, porém, que os financiamentos para as famílias devem voltar a crescer até o fim do ano. Para ele, o aumento do emprego e da renda e a manutenção da confiança do consumidor devem respaldar a tomada de novos empréstimos, inclusive com um desempenho positivo no fim do ano.

O vice-presidente de Finanças da Caixa Econômica Federal, Marcio Percival, acredita que o crédito para pessoa física vive um momento de acomodação ao nível de atividade menos intenso da economia brasileira.

Empresas. Enquanto famílias moderam seu apetite, o crédito para empresas está acelerando. Após o período de estagnação visto desde o fim de 2008, com a crise financeira norte-americana, o segmento dá sinais de retomar a demanda por crédito para financiar suas atividades.

"A expansão do consumo das famílias impactou positivamente as expectativas das empresas, que decidiram ampliar os investimentos e aumentaram a demanda por crédito, não somente do BNDES, mas também das linhas concedidas voluntariamente pelos bancos", destaca relatório do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi).

Entre as linhas mais procuradas pelas empresas, o financiamento para o capital de giro cresceu 5,6% e liderou entre os empréstimos para empresas. O relatório do Iedi também destaca que muitas empresas, especialmente do setor industrial, têm retomado gradualmente os planos de investimento para aumento da capacidade de produção.

Estabilidade

ALTAMIR LOPES-CHEFE DO DEPARTAMENTO ECONÔMICO DO BC

"O crédito para pessoa física cresce com taxa mais baixa, inferior à para empresas. Há sinais de alguma acomodação nas operações para as famílias... É natural que haja uma acomodação desse segmento que cresceu muito nos

últimos meses."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.