finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Finep vai liberar mais R$ 3 bi para inovação

Contratos para subsidiar investimentos de empresas serão assinados semana que vem

João Villaverde, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2014 | 02h05

BRASÍLIA - Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) deve assinar nos próximos dias contratos de R$ 3 bilhões em crédito para subsidiar o investimento das empresas em inovação. A nova leva de recursos deve ser liberada a partir da próxima semana. Com isso, o total de financiamentos chegará a R$ 7 bilhões neste ano, disse o presidente da Finep, Glauco Arbix, ao 'Estado'. Até dezembro, segundo ele, a agência de fomento deve atingir seu recorde, chegando a R$ 10 bilhões em empréstimos.

Caso a meta seja cumprida, a Finep terá elevado em quase 40% a contratação de crédito subsidiado para companhias entre 2013 e 2014. Esse desempenho, avalia o presidente da Finep, deve-se à maior agilidade da agência que, desde agosto do ano passado, tem meta de assinar os contratos em até 30 dias. A qualidade dos projetos apresentados pelas empresas também melhorou.

Os planos de dar à Finep "agilidade total" na análise e concessão dos financiamentos, como afirma Arbix, serão agora estendidos para além das operações de crédito. Agora, a Finep também dará mais dinamismo aos convênios fechados com universidades, institutos tecnológicos e centros de pesquisa. Dos 12 mil projetos em andamento, 75% são referentes a esses convênios. Os contratos são assinados entre a Finep e instituições de pesquisa e inovação selecionadas em chamadas públicas.

Convênios. Na próxima segunda-feira, a Finep vai anunciar o programa "Convênios 30 dias", que terá o mesmo modelo adotado desde o ano passado para agilizar os financiamentos: a financiadora vai liberar o dinheiro em até 30 dias. O primeiro passo do programa será a criação de um banco de dados, onde cerca de 350 instituições (como universidades públicas e privadas, institutos públicos, centros de P&D e fundações) poderão cadastrar seus dados. A partir do registro, será apenas necessário enviar os projetos.

"As grandes instituições, como USP e UFRJ, por exemplo, enviam cerca de 90 projetos por ano. Para cada uma, é preciso enviar os mesmos 14 documentos. Isso burocratiza o processo e atrasa a liberação do dinheiro. Queremos dar agilidade total", diz Glauco Arbix.

Além de cadastrar os dados das instituições, o que evitará a repetição de documentos, a Finep também vai reduzir a necessidade da papelada que precisa ser anexada ao processo. "Em vez de exigir e esperar a modelagem de um projeto executivo de engenharia para um novo laboratório, por exemplo, vamos trabalhar com uma declaração do reitor da universidade. Se ele diz que têm o projeto, pronto: a responsabilidade é dele, e isso agiliza", explica Arbix.

O objetivo da Finep é, a partir da próxima semana, reduzir todos os prazos em seus processos. Segundo Arbix, os prazos da análise das chamadas públicas cairão de 180 para menos de 45 dias. Uma vez selecionadas, as universidades, centros de pesquisa e desenvolvimento ou institutos tecnológicos terão até 60 dias para formular e enviar os projetos à Finep.

Enquanto o crédito subsidiado às empresas envolve a meta de R$ 10 bilhões para 2014, os convênios são irrigados com o dinheiro do Fundo Nacional para Desenvolvimento da Ciência e Tecnologia (FNDCT). Esse fundo setorial, que acumula R$ 5 bilhões por ano, libera cerca de R$ 2 bilhões à Finep anualmente. "Vamos empenhar 100% do que recebemos do FNDCT com os convênios e tudo sairá em 30 dias", garante Arbix.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.