Finlândia critica aumento no programa europeu de socorro

Para a primeira-ministra Mari Kiviniemia, o mais urgente é que os países com os maiores problemas, como Portugal e Espanha, tomem as medidas necessárias

Renato Martins, da Agência Estado,

27 de janeiro de 2011 | 16h54

A primeira-ministra da Finlândia, Mari Kiviniemi, disse que seu país não aceitará um aumento no tamanho do Programa Europeu de Estabilização Financeira (EFSF), nem a emissão conjunta de bônus por países da zona do euro. "Não estou pronta a abrir uma discussão sobre euro-bônus ou sobre aumentar o tamanho do EFSF", afirmou Kiviniemi em entrevista à Dow Jones durante o Fórum Econômico Mundial de Davos (Suíça). "Não estamos preparados para carregar a carga da dívida de outros países de novas maneiras. Há muitas sugestões por aí e muitas delas são totalmente inaceitáveis do ponto de vista da Finlândia", acrescentou.

Para a primeira-ministra, "o que é mais urgentemente necessário é que os países com os maiores problemas, como Portugal e Espanha, tomem as medidas necessárias. Eles precisam equilibrar seus Orçamentos e fazer mudanças estruturais". As informações são da Dow Jones.

 

Tudo o que sabemos sobre:
socorrocriseFinlândiaUnião Europeia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.