Imagem Fábio Gallo
Colunista
Fábio Gallo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Fintechs devem ajudar a reduzir juros no Brasil

Startups do setor financeiro mantêm uma estrutura de baixo custo operacional aliada à tecnologia, o que permite a prática de taxas mais baixas

Fábio Gallo, O Estado de S. Paulo

29 de abril de 2019 | 05h00

Com a entrada das fintechs no mercado, devemos vamos ter juros menores do que o crédito em bancos? 

Essa é a expectativa geral. As fintechs (startups do setor financeiro) mantêm uma estrutura de baixo custo operacional aliada à tecnologia, o que permite a prática de taxas de juros mais baixos. Particularmente para as classes de renda mais baixa podem ser uma excelente solução. Há no mercado fintechs oferecendo crédito na faixa entre R$ 30 e R$ 500, permitindo que aquelas pessoas que ficam no vermelho ao longo do mês tenham uma solução com volume menor e com custo mais baixo do que o encontrado nos bancos. Hoje os cinco maiores bancos brasileiros respondem por mais de 80% do crédito concedido em nosso mercado. Essa falta de concorrência leva a altos spreads bancários (diferença entre o custo de captação do banco e o valor cobrado do consumidor).

Algo que deve ajudar na expansão do crédito é a transformação das fintechs em instituições financeiras dentro das regras do Banco Central. Até agora houve a migração de 4 instituições e outras 16 estão com processo em andamento. As fintechs funcionam na prática como correspondentes bancários e essa dependência gera custos mais altos. Hoje, a legislação permite a existência de dois tipos de atividade que barateiam o crédito: a Sociedade de Crédito Direto (SCD) que permite que seja concedido crédito que tem como origem o dinheiro próprio das fintechs, e a Sociedade e Empréstimo entre Pessoas (SEP), na qual a instituição intermedeia empréstimos entre pessoas físicas. As regras de transformação são menos rigorosas do que a criação de um banco, mas ainda criam obstáculos. No entanto, não podemos esquecer que a educação financeira é a arma mais poderosa, pois permite que a pessoa use crédito de maneira mais consciente. 

Tenho uma aposentadoria estadual e outra municipal. É possível incluir na ficha de parcela isenta do INSS a soma dos valores de isenção constante em dois informes de rendimento, ou a lei permite apenas uma isenção? 

Segundo a Receita Federal, o contribuinte com mais de 65 anos tem direito à isenção de imposto referente a proventos de aposentadoria, reserva remunerada, reforma ou pensão até um limite que em 2019, relativo a 2018, tem valor de R$ 24.751,74 (R$ 1.903,98 por mês, mais o 13.º salário). Assim, a pessoa pode receber aposentadoria, outras pensões e previdência complementar – o que, na prática, dobra o valor da isenção. Por exemplo, o aposentado que recebeu R$ 50 mil, declara como rendimentos isentos e não tributáveis o valor de R$ 24.751,74, e os restantes R$ 25.248,26 devem ser declarados como tributáveis recebidos de pessoa jurídica. No entanto, como este valor cai dentro da faixa de isenção de R$ 28.559,70, não há pagamento de imposto.

Quando o recebimento é de uma fonte somente não há dificuldade alguma na declaração porque o informe de rendimentos já traz o desconto correto, mas quando o beneficiário tem mais de uma fonte deve fazer a conta somando os valores recebidos e aplicando a parcela de isenção. Um erro comum é o aposentado juntar rendimentos de diversas fontes e, no caso de não ultrapassar o limite, declarar tudo como isento. Mas atenção porque a isenção é válida apenas para os rendimentos recebidos a título de aposentadoria. Em caso de renda de aluguéis, fruto de trabalho empregado com carteira assinada ou atividade remunerada, esses rendimentos devem ser declarados na ficha “rendimentos tributáveis”.

Mais conteúdo sobre:
banco [sistema financeiro]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.