André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Fintechs terão regulamentação e devem elevar competição no setor de crédito, diz Ilan

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, diz que aumentar a competição no setor de crédito é fundamental para diminuir as taxas cobradas dos consumidores

Altamiro Silva Junior, Broadcast

12 Março 2018 | 12h04

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, disse nesta segunda-feira, 12, que as "fintechs", como são chamadas as empresas nascentes que criam inovações na área financeira, podem ajudar a dar maior competição no mercado de crédito. Esse segmento deve ganhar regulação em breve, que foi pedida pelas próprias companhias, afirmou o dirigente durante palestra no Conselho de Negócios Brasil-Flórida.

+ Polêmico, novo Cadastro Positivo deve ser votado em até 30 dias na Câmara

"Queremos competição nessa área de crédito", disse Ilan. "A quantidade de "fintechs" no Brasil está crescendo de forma importante", afirmou ele, destacando que esse segmento faz parte da agenda BC+, que tem como objetivo dar maior eficiência ao sistema financeiro e reduzir o custo dos empréstimos no Brasil.

Segundo Ilan, as próprias "fintechs" foram ao BC pedir para que haja uma regulamentação, até como uma precaução para que a atividade do setor não fique à margem do sistema financeiro. "Há pedidos para que a gente dê nosso carimbo", disse ele, destacando que as normas para o setor foram para consulta pública. O próprio sistema pede regulação, observou Ilan, porque fica com receio de que se acontecer algum problema, não se sabe quem é o responsável.

"Por que gostamos das 'fintechs'? Porque é de onde vêm as inovações, e assim gera competição, gera mudança', disse o presidente do BC. Ao mesmo tempo, o dirigente alertou que é preciso pensar na segurança cibernética, tema que envolve riscos. "Quanto mais tecnológico, mais eletrônico, os nossos problemas vão deixar de ser físicos para serem mais eletrônicos", disse ele. "Cada novidade tem seu benefício e seu cuidado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.