Fipe apura aumento da carne bovina na 3ª semana de outubro

A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) detectou um aumento generalizado do preço da carne bovina na terceira semana de outubro na cidade de São Paulo. A elevação, que era de 7,8% na ponta ao consumidor na segunda semana do mês, quando foram registrados os novos preços depois do problema da febre aftosa, agora é de 8,4%. No fechamento de setembro, o segmento subia 0,50% e na primeira pesquisa semanal de outubro, 4,6%.Uma outra forma de observar o aumento de preços do setor é a verificação de que, dos 25 itens que mais contribuíram isoladamente para a inflação de 0,59% da terceira quadrissemana do mês, seis são de carne bovina: coxão mole (5,7%), alcatra (6,95%), contrafilé (6,74%), acém (3,82%), patinho (7,20%) e coxão duro (6,18%). Estes seis itens contribuíram com 0,12 ponto porcentual da inflação de 0,59% no período.O coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fipe, Paulo Picchetti, disse que é difícil prever o comportamento dos preços da carne de vaca para as próximas semanas. "O mercado está confuso, apresentando análises diferentes em relação aos efeitos do problema da aftosa sobre os preços. O que temos é a constatação de que os preços não só estão altos, como aceleraram na última semana", disse.De acordo com Picchetti, a elevação pode estar relacionada à menor comercialização do produto em função do problema ou simplesmente a um movimento especulativo. "Não arrisco uma previsão sobre as carnes, até porque há incertezas sobre o problema, como, por exemplo, a possibilidade de novos focos", comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.