Fipe: arroz tem maior alta desde junho de 2003 em SP

Tendência é que as altas de preços do item devem ser maiores nas próximas pesquisas do mês

FLAVIO LEONEL, Agencia Estado

20 de maio de 2008 | 15h46

O preço médio do arroz avançou 13,84% na capital paulista no âmbito da segunda leitura do mês do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), de acordo com levantamento realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). A alta foi a mais expressiva desde a primeira leitura de junho de 2003, quando o item pesquisado variou 16,85%. O avanço representou, sozinho, 0,12 ponto porcentual da inflação geral de 0,89% divulgada hoje pelo instituto para o período pesquisado.De acordo com o coordenador do IPC, Márcio Nakane, o arroz, que vem refletindo um momento de maior demanda no País, é novo vilão da inflação paulistana. Além disso, ele afirmou que a tendência é que as altas de preços do item devem ser maiores nas próximas pesquisas do mês. "Na ponta (levantamento no qual a Fipe compara os preços da semana de referência com o mesmo período do mês anterior), o arroz está subindo 24,25%, o que mostra que o IPC ainda deverá captar altas mais expressivas", afirmou.CarnesSegundo Nakane, outro segmento que deve continuar em aceleração nos próximos levantamentos é o de carne bovina, que se aproxima do período de entressafra. Na pesquisa anunciada hoje pela Fipe, o preço médio do produto apresentou alta de 2,51% e respondeu por 0,06 ponto porcentual do IPC de 0,89%. Pão e leiteO coordenador do índice da Fipe destacou, no entanto, que alguns itens importantes na pressão de alta da inflação ameaçam entrar em um período de variações um pouco menores. É o caso do pão francês, cuja elevação passou de 7,60% para 7,24% na passagem entre a primeira e a segunda leituras de maio. Outro segmento importante para o atual nível do IPC é o de leites. No levantamento divulgado hoje pela Fipe, o item apresentou alta de 3,91% e representou 0,06 ponto porcentual da inflação. Na primeira prévia de maio, o item havia avançado 4,24%. "Precisamos saber se os preços do leite seguirão o padrão de 2007, quando dispararam igual a um foguete, ou se repetirão os padrões de anos anteriores, quando subiram nesta mesma época, mas desaceleraram na segunda metade de maio", observou Nakane, lembrando que o leite Longa Vida, principal item do segmento, subiu 4,20% na segunda medição de maio ante 4,10% da primeira coleta do mês.FeijãoNo lado das quedas do IPC da Fipe, o feijão permanece como maior fator de alívio para a inflação. Na pesquisa anunciada hoje pelo instituto, o preço do item recuou 14,71% e amenizou o IPC em 0,07 ponto porcentual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.