Fipe: aumentos de alimentos e tarifas públicas

Ao contrário do que ocorreu no ano passado, a inflação este ano deverá atingir com maior intensidade a camada mais pobre da população. A afirmação foi feita hoje pelo coordenador da pesquisa de preços da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Heron do Carmo. Segundo ele, no primeiro trimestre, a inflação de 1% decorreu praticamente dos aumentos dos alimentos, que representam a maior parte dos gastos das famílias mais pobres. O grupo alimentação subiu 1,93%, com destaque para os alimentos semi-elaborados (2,12%) e in natura (7,53%). No segundo semestre, de acordo com Heron, as tarifas públicas, que também consomem boa parte da renda dos trabalhadores, é que deverão determinar o tamanho da inflação. Já há previsão de aumento das tarifas de energia elétrica, de em torno de 12%, e de ônibus, de cerca 20% na cidade de São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.