Fipe eleva previsão para IPC de agosto de 0,90% para 1%

A taxa média de inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) na cidade de São Paulo deverá encerrar o mês de agosto mostrando uma alta de 1%, segundo afirmou o coordenador do Índice, Paulo Picchetti. Essa taxa representa uma elevação de 0,10 ponto porcentual na previsão do economista, que, até a semana passada, trabalhava com uma expectativa de inflação de 0,90% para o mês.De acordo com Picchetti, a grande surpresa do Índice veio do subgrupo Alimentos In Natura, que saiu de uma variação de 3,21%, na segunda quadrissemana de agosto, para uma alta de 6,18% na terceira prévia do IPC. Ele destacou que, além do tomate, que na quadrissemana em análise subiu 26,86%, também tiveram aumentos a batata (23,62%) e a cebola (28,33%). É bom lembrar que, da primeira para a segunda quadrissemana, Picchetti já havia elevado a sua previsão de inflação para o mês em 0,10 ponto porcentual, de 0,80% para 0,90%, justamente por conta da escalada do preço do tomate. "O tomate não tem como recuar no curto prazo, por causa dos efeitos climáticos e redução da área de plantio deste produto", disse.Quanto à batata e à cebola, o coordenador da Fipe se mostra mais otimista, acreditando que, ao longo de setembro, os preços destes dois produtos deverão recuar, coincidindo com a queda também do índice de inflação cheio.Tarifas públicasCom relação ao próximo mês, além do arrefecimento dos produtos in natura, a inflação contará também com o alívio vindo dos preços administrados, cujo o impacto maior dos reajustes das tarifas públicas se concentrou em agosto.De acordo com Picchetti, 0,60 ponto porcentual da contribuição das tarifas públicas para o IPC deve ser apurado no mês de agosto, ficando para setembro apenas 0,14 ponto porcentual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.