Fipe: IGS desacelera a 0,31% na 3ª quadrissemana

Os preços do setor de serviços desaceleraram da segunda para a terceira quadrissemana de agosto, de 0,42% para 0,31%. O Índice Geral de Serviços (IGS) ficou 0,04 ponto porcentual acima da inflação na cidade de São Paulo medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de igual período, que ficou em 0,27%. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). "É bem provável que o Índice de Serviços volte a acelerar e continue subindo a um ritmo razoável, voltando a ficar acima do IPC", estimou o economista e coordenador do IPC, Rafael Costa Lima.

MARIA REGINA SILVA, Agencia Estado

27 de agosto de 2012 | 16h09

De acordo com ele, a retomada da queda do segmento Manutenção do Domicílio (de +0,38% para -0,09%), especialmente dos preços de energia elétrica (de +0,59% para -0,87%), ajudou na desaceleração do IGS na terceira medição do mês. "Em grande medida, por conta do recuo em energia elétrica", disse. O grupo Habitação, por sua vez, ficou em 0,06%, ante uma alta de 0,27% na segunda quadrissemana.

Na contramão, as altas apuradas em passagem aérea (6,14%), viagem/excursão (1,18%), alimentação fora do domicílio (1,02%) e contratos de assistência médica (1,09%) mantiveram pressão sobre o IGS na terceira leitura de agosto, segundo Costa Lima. "A aceleração nos preços da alimentação fora do domicílio (de 0,74% para 1,02%) reflete o aumento dos preços dos alimentos que estão reagindo ao aumento dos grãos no exterior. Não tem como fugir a algum repasse. É impacto direto no custo do consumidor", explicou.

De acordo com a Fipe, as tarifas de avião e os passeios de viagem mais caros deixaram a inflação do grupo Despesas Pessoais com uma taxa de 1,03% na terceira quadrissemana de agosto, após 1,20%. O conjunto desses preços foi a maior alta dentro do IGS, seguido de Alimentação (1,02%), Saúde (0,89%), Transportes (0,12%) e Educação (0,10%) na terceira medição do mês ante a quadrissemana anterior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.