Fipe mantém previsão de 0,30% para inflação de março

A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) manteve hoje a previsão de uma inflação de 0,30% para o fechamento de março apesar da reversão do quadro, de uma deflação de 0,03% em fevereiro para uma alta de 0,16% na primeira quadrissemana de março. O coordenador-adjunto do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fipe, Juarez Rizzieri, também manteve a previsão para o IPC no ano, em 4,5%. De acordo com ele, apesar dos movimentos pontuais de alguns preços, em momentos isolados do ano, o cenário inflacionário é de convergência para o centro da meta de inflação, de 4,5%, para este ano - tomando por base o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), usado como referência para a meta de inflação . Segundo o coordenador-adjunto do índice, a pressão de alta da inflação na cidade de São Paulo na primeira quadrissemana de março foi provocada basicamente pelo grupo Alimentação, de uma variação negativa de 0,22% no mês passado para uma alta de 0,21% na primeira coleta de preços em março.Também contribuiu para a elevação do índice de preços na quadrissemana o grupo Transportes, que mostrou uma aceleração de 0,18 ponto porcentual, de 0,49% no encerramento do mês passado para 0,67%. A elevação do grupo Transportes foi provocada pela elevação do preço do álcool combustível, de 4,67%. A variação do álcool contribuiu com 0,02 ponto porcentual para a formação o índice de 0,16% na primeira parcial da Fipe em março.A gasolina teve seu preço por litro aumentado em 0,71% no período, exercendo uma pressão de 0,02 ponto porcentual sobre o índice. O reajuste da gasolina, ressalta Rizzieri, está associado à redução da quantidade de álcool na sua composição, de 25% para 20%.Finalmente, destaca o coordenador-adjunto da Fipe, os preços dos remédios também deram a sua contribuição para a alta da inflação na primeira quadrissemana de março. Eles foram reajustados em 0,83% ante uma taxa 0,51% no fechamento de fevereiro. Segundo Rizzieri, como os preços dos remédios serão liberados no mês que vem, muitos laboratórios e farmácias já estão antecipando os aumentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.