Fipe mantém previsão de inflação 3,9% em São Paulo em 2009

Projeção para dezembro permanece em 0,21%; indicador reflete tranquilidade nos preços na cidade

Flavio Leonel, da Agência Estado,

17 de dezembro de 2009 | 15h13

O coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), Antonio Evaldo Comune, manteve hoje as projeções de inflação para dezembro, em 0,21%, e para o fechamento de 2009, em 3,90%. Em entrevista à Agência Estado, ele disse que preferiu manter as expectativas para o indicador da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) por causa da ausência de um fator relevante para a mudança do comportamento atual do IPC, que reflete um período de tranquilidade para a inflação na cidade de São Paulo.

 

Se confirmadas as previsões de Comune, o IPC de dezembro será menor que o de 0,29% de novembro e a taxa do ano ficará bem abaixo do resultado apurado em 2008, quando a inflação acumulou variação de 6,16%. "E não descarto que o IPC deste ano fique até mais próximo de 3,70%, já que temos poucas apurações para realizar até o fechamento de 2009", destacou, lembrando que a Fipe divulgará o resultado final da inflação somente no dia 6 de janeiro do ano que vem.

 

Nesta quinta-feira, a Fipe informou que o IPC apresentou taxa de 0,17% na segunda quadrissemana do mês (últimos 30 dias encerrados em 15 de dezembro). O resultado ficou dentro do intervalo de estimativas coletados pelo AE Projeções com o mercado financeiro na véspera, de 0,12% a 0,22%. E mostrou uma desaceleração ante a taxa de 0,20% da primeira quadrissemana do mês (30 dias terminados em 7 de dezembro). "O cenário de inflação em São Paulo está bem tranquilo e a Alimentação está ajudando bastante", comentou Comune, referindo-se ao grupo que apresentou queda média de 0,10% nos preços ante elevação de 0,17% verificada na primeira medição do mês.

 

De acordo com ele, os principais destaques de baixa do grupo Alimentação foram a carne bovina, cuja queda no preço médio aumentou de 0,49% para 1,24% no período pesquisado; e o tomate, que mostrou também baixa mais expressiva, de 14,13%, ante a queda de 9,36% da primeira quadrissemana e representou sozinho um alívio de 0,03 ponto porcentual para a taxa geral de inflação.

Na segunda quadrissemana de dezembro, a cerveja foi o item líder em contribuição de alta para o IPC, mesmo passando de uma variação positiva de 2,82% para uma elevação um pouco menos expressiva, de 2,69%. O comportamento do preço da bebida foi importante para o grupo Despesas Pessoais mostrar uma alta de 0,50% contra variação anterior de 0,47%.

 

Para Comune, um fato pouco comum para o IPC foi o grupo Vestuário ter representado a principal pressão de alta para a inflação paulistana. Em sintonia com a demanda maior do período na época de festas de final de ano, o grupo apresentou uma elevação de 1,22% ante avanço menor de 0,66% e respondeu por 0,06 ponto porcentual (36,89%) do resultado total do indicador da Fipe na segunda quadrissemana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.