Fipe mantém previsão para IPC de janeiro em 0,60%

O coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de pesquisas Econômicas (Fipe), Paulo Picchetti, manteve suas projeções para a inflação na capital paulista em janeiro e no ano, de 0,60% e de 5% a 5,5%, respectivamente. Ele optou por manter a previsão deste mês, apesar do resultado da primeira quadrissemana (0,68%) ter ficado alto, mas muito próximo da variação do fechamento de dezembro (0,67%).Picchetti destacou que, apesar dos índices terem ficado no mesmo patamar nessa período, houve mudanças na composição do IPC-Fipe. "Ao mesmo tempo que começam a sair os impactos da gasolina e do cigarro, entram as despesas com viagens e educação", constatou.De acordo com o coordenador, a diminuição da pressão de gasolina era esperada porque o reajuste de preço mais recente entrou em vigor ao final de novembro. Além disso, ele acredita que a concorrência entre os postos de combustíveis também pode auxiliar na diminuição do custo da gasolina para o consumidor.O aumento do combustível nas bombas dos postos foi de 6% na primeira quadrissemana de dezembro, passando nas pesquisas seguintes para 4,9%, 6,4% e 3,5%. Neste primeiro levantamento de 2005, a Fipe detectou uma deflação média de 0,01% nos preços. "Até o final do mês, pode ocorrer a continuidade desta baixa, contribuindo para uma pequena queda da inflação", afirmou Picchetti.Deflação semelhante (0,01%) foi apresentada em relação aos cigarros. Vale lembrar que estes dois itens foram os fatores de maior pressão da inflação em dezembro e a perspectiva do coordenador do Índice é que eles fiquem, "no mínimo, zerados".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.