Fipe mantém previsão para IPC em 0,35% em maio

O coordenador da Pesquisa de Preços da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Paulo Picchetti, confirmou hoje sua expectativa de uma taxa de 0,35% para a inflação fechada de maio. Segundo ele, a alta da inflação de 0,36% na primeira quadrissemana de maio veio dentro do esperado, já que os remédios, como se previa anteriormente, integralizaram o aumento autorizado no final de março. Na média da Fipe, os remédios subiram 5,95%, acima do aumento médio de 5,70% acertado no acordo entre o governo e os laboratórios farmacêuticos no dia 31 de março.Por causa desses e de outros aumentos, o grupo Saúde fechou a primeira quadrissemana de maio em 2,85%, dando uma contribuição de 0,19 ponto porcentual para a composição do IPC. Isso, de acordo com Picchetti, significa dizer que o grupo Saúde respondeu por mais da metade da inflação do período.No entanto, o economista diz que até o final do mês os remédios vão diminuir a pressão sobre a inflação, derrubando a contribuição de Saúde, de 0,19 ponto porcentual para 0,05 ponto. "Por isso mantenho a minha expectativa de uma taxa de 0,35% para a inflação de maio", disse Picchetti, que também mantém a sua previsão do IPC para o ano em 5,5%.A manutenção da previsão considera também a conversão dos preços dos alimentos de uma trajetória de queda para alta como contraponto à redução da pressão dos preços dos remédios. Esta reversão dos alimentos já começou a se fazer presente na primeira quadrissemana de maio, mostrando uma alta de 0,19% ante uma queda de 0,30% no IPC fechado de abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.