Fipe mantém projeção de inflação de fevereiro em 0,40%

A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) reiterou hoje a sua expectativa de inflação para o mês fechado de fevereiro em 0,40%. A confirmação foi feita hoje pelo coordenador do índice, Paulo Picchetti. A taxa média de reajuste de preços ao consumidor na segunda quadrissemana de fevereiro (período de 30 dias encerrado no último dia 14) ficou em 0,49%, mostrando uma desaceleração de 0,13 ponto porcentual na comparação com a taxa apurada na primeira quadrissemana do mês em curso.Esta é, portanto, a terceira desaceleração consecutiva do IPC desde a terceira quadrissemana de janeiro. Pela ordem, o índice caiu de 0,72% para 0,56% no fechamento do mês passado, para 0,52% na primeira quadrissemana de fevereiro e agora para 0,49%. Estas taxas decrescentes de inflação verificadas pelo IPC-Fipe na cidade de São Paulo têm convergido a cada semana para a inflação projetada por Picchetti para o encerramento de fevereiro.Inflação para o anoPicchetti manteve também a sua projeção de inflação entre 5% e 5,5% para 2005, argumentando que mais ou menos 2 pontos porcentuais já estão dados, pois os preços administrados respondem por 30% da inflação. Por causa do aumento dos in natura, o grupo alimentação, que na primeira quadrissemana havia mostrado uma queda de 0,13%, subiu 0,02% na segunda parcial de fevereiro.Os demais itens do grupo alimentação mostraram desaceleração - que é o caso de alimentação fora do domicílio, com uma perda no ritmo de alta de 0,20 ponto porcentual, de 0,73% para 0,53% - ou queda, como aconteceu com os alimentos industrializados, que saíram de uma variação de 0,08% na primeira quadrissemana de fevereiro para - 0,01 % agora.Esta queda dos industrializados fez com que o núcleo desses produtos caísse de 0,40% para 0,26%. O mesmo ocorreu com o núcleo do IPC cheio, que fechou em 0,29% na segunda parcial de fevereiro ante uma variação de 0,30% na semana anterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.