Fipe prevê inflação de 0,30% neste mês

A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) espera uma forte retração da inflação em setembro após as altas de julho e agosto, que acumularam quase 3 pontos porcentuais. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) neste mês deve ficar em 0,30%, na previsão do coordenador da pesquisa, Heron do Carmo, ante a estimativa anterior de 0,5%. O recuo, segundo ele, será em razão do esgotamento da pressão causada pelos combustíveis, tarifas públicas e fatores climáticos.A partir de agora, alguns alimentos que têm peso importante no índice devem se estabilizar. É o caso do frango e do feijão, que subiram muito nos últimos dois meses e já apontam recuo no atacado. O leite também já está caindo. Na primeira quadrissemana, o tipo longa vida registrou queda de 2,09%, após uma alta de 40% neste ano.As elevações do telefone, luz, gás de botijão, álcool e gasolina, os vilões do repique da inflação, devem começar a desaparecer dos índices. Todos estes itens, associados ainda ao fim dos reajustes dos contratos de assistência médica e dos efeitos da entressafra e geada, vão causar um alívio à taxa de aproximadamente 0,6 ponto porcentual, nos cálculos da Fipe. O reajuste de cerca de 9% das tarifas de telefones celulares da BCP, que será inserido no índice de setembro, não deve ter peso relevante na inflação e pode ser compensado pelas quedas esperadas de outros grupos.Na primeira quadrissemana, o IPC ficou em 1,17%, já mostrando arrefecimento diante do fechamento de 1,55% em agosto. Este resultado reforça a projeção, segundo Heron, de uma inflação este ano entre 5% e 5,5%, porém "mais próxima do 5%". Os aumentos do preço do petróleo no mercado internacional, na sua avaliação, não devem causar impacto na inflação. Para ele, caso o produto se mantenha em US$ 30 o barril, é possível que o governo brasileiro não repasse os aumentos agora para gasolina e compense as perdas após o fim do inverno no hemisfério norte. A Fipe projeta uma inflação de 3,5% no próximo ano. As variações por grupo na primeira quadrissemana de setembro foram:Habitação1,53%Alimentação1,55%Transportes1,52%Despesas Pessoais-0,26%Saúde1,04%Vestuário0,52%Educação0,16%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.