Fipe prevê que IPC ficará em 0,50% em outubro

O coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), calculado pela Federação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Paulo Picchetti, previu hoje uma taxa de inflação para outubro de 0,50% ou 0,06 ponto porcentual acima do fechamento de setembro, que foi de 0,44%, na cidade de São Paulo. De acordo com ele, o principal fator de pressão sobre o índice virá do preço dos combustíveis, que deverão exercer um impacto de 0,20 ponto porcentual na inflação do mês.É certo também, segundo Picchetti, que a tarifa de água e esgoto dará uma contribuição de 0,14 ponto porcentual para a inflação de outubro. A diferença entre o índice previsto e o impacto de 0,34 ponto porcentual ficará por conta dos preços livres, na avaliação do coordenador.Na média mensal de outubro a dezembro, o IPC-Fipe deverá registrar uma taxa de 0,57%. Isso porque, além da pressão dos combustíveis e da taxa de água e esgoto, os meses de novembro e dezembro são marcados por reajustes nos preços dos cigarros e dos pacotes de viagens, por conta das férias de fim de ano. "Também neste caso, cigarros e viagens contam apenas parte das história, porque a diferença ainda ficará por conta dos preços livres", disse Picchetti.Para o final do ano, o coordenador da Fipe mantém sua estimativa de um IPC-Fipe de 5%. De acordo com ele, a variação anual do indicador vem caindo desde abril, quando era de 7,37%. Em setembro, a taxa anual da inflação na cidade de São Paulo fechou em 5,19%, pouco acima da taxa de 4,95% em agosto, mas tenderá a recuar para 5% no fechamento de 2005, porque as variações mais expressivas, no ano passado, serão substituídas por taxas menores daqui para o final do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.