Fipe: serviços apresentam mudança de nível de preço

O coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Márcio Nakane, detectou uma mudança estrutural no aumento dos preços de serviços nos últimos meses. De acordo com ele, se o índice do setor rodava entre 0,20% e 0,40% ao mês em 2006, desde meados de 2007 a variação média subiu para 0,50%, patamar em que deve ficar nos próximos meses. "Isso reflete a demanda mais forte, por si só e eleva a inflação para pouco acima de 6% no acumulado do ano", calculou.Para se ter uma idéia, na primeira prévia de janeiro, 83,87% dos produtos que não podem ser negociados (non-tradeables), que são praticamente serviços, da Fipe - um total de 62 itens - apresentaram elevação de preços. Este é o maior porcentual verificado desde a primeira prévia de fevereiro do ano passado, quando o índice estava em 87,10%. No caso dos monitorados (24 itens), houve manutenção da taxa em 25% no período, enquanto a dos produtos que podem ser negociados (tradeables) (439 produtos) subiu de 60,82% para 62,87%. A variação mensal dos non-tradeables também apresenta elevação há sete semanas consecutivas. No período, passou de 0,32% para 0,88%. "Além da mudança de patamar, esta alta revela também um componente sazonal", identificou o coordenador, explicando que no início do ano é comum ver reajustes de salários domésticos e do setor de saúde, por exemplo, além do encarecimento de serviços voltados para o turismo.No acumulado de 12 meses, até a primeira prévia de janeiro, os serviços apresentam alta de 5,32%, ante 5,28% da apuração anterior e de 5,07%, do período equivalente em dezembro do ano passado. Apesar da aceleração, o indicador está mais baixo do que o de produtos comercializados (6,66%), mas está maior do que o de preços monitorados (-0,80%) e do que o do próprio IPC (4,38%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.