Firjan diz que decisão do Copom 'não surpreendeu'

A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) avalia que a decisão do Copom de reduzir a taxa Selic para 9% ao ano "não surpreendeu, haja vista o baixo nível de atividade da economia brasileira, conforme resultado negativo divulgado recentemente pelo Banco Central e os resultados positivos no que tange à inflação". Em comunicado, a Firjan afirma que "a redução dos juros é o principal instrumento disponível para minimizar a pressão sobre o real causada pela forte expansão monetária dos países desenvolvidos".

AE, Agencia Estado

18 de abril de 2012 | 20h26

Ainda assim, a Firjan defende que "a redução da taxa Selic seja acompanhada de reformas institucionais que permitam perene redução dos custos de produção e aumento da produtividade do trabalho, conforme tendência mundial". A federação defende uma agenda de aprovação de projetos que já estão em tramitação no Congresso Nacional, como a extinção da multa de 10% do FGTS paga ao governo, a eliminação da incidência tributária em cascata sobre os bens industriais e a redução dos encargos sobre a energia elétrica.

Tudo o que sabemos sobre:
jurosCopomFirjan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.