Firjan: indústria do Rio está otimista com o ano 2010

A indústria do Rio de Janeiro está otimista com o ano de 2010. Ao contrário do clima de insegurança dos primeiros dias de dezembro de 2008, pesquisa realizada pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) com 225 empresas apontou que um terço destas companhias acredita que a crise já acabou e para 43% o próximo ano será melhor do que o atual. A pesquisa também apontou que, de cada dez empresas pesquisadas, quatro já apresentam ritmo de produção maior no quarto trimestre deste ano se comparado com o mesmo período do ano passado. Na comparação com o período pré-crise, 64,9% das empresas informaram já terem recuperado o ritmo de produção, enquanto que 20,9% estão com a produção abaixo.

KELLY LIMA, Agencia Estado

15 de dezembro de 2009 | 17h21

A Firjan excluiu a atividade de produção do petróleo da pesquisa para não provocar distorções, já que há apenas uma empresa de grande porte (Petrobras) no Estado. A atividade da cadeia petrolífera, no entanto, foi considerada e teve forte influência no otimismo demonstrado no levantamento. "Além do sintoma de recuperação pós-crise, há fortes indícios de uma atividade intensa nesta cadeia, com os investimentos de grande porte da Petrobras, não somente em pré-sal, mas em outros segmentos", disse a chefe da Assessoria de Pesquisas Econômicas da Firjan, Luciana Sá.

O presidente da Firjan, Eduardo Eugênio Gouvêa Vieira, destacou que o levantamento apontou quatro gargalos que impedem o rápido e constante crescimento econômico do País: a qualidade da educação profissional e tributação, apontados como principais problemas pelos entrevistados (24,9% e 24% respectivamente), além de educação básica (20,9%) e infraestrutura (12%). "Nós advogamos em prol de mudanças em todos estes itens há 12 anos. Mas esses pontos não entram de uma forma sólida na agenda política", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
indústriaRJFirjan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.