Alan Santos / PR
Alan Santos / PR

Firjan pede adiamento de 15 dias para pagar impostos por conta da greve dos caminhoneiros

Federação das Indústrias do Rio de Janeiro solicitou ao presidente Michel Temer 15 dias extras para pagar impostos federais e a contribuição patronal à Previdência Social

Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

11 Junho 2018 | 19h58

BRASÍLIA- A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) pediu ao presidente Michel Temer 15 dias extras para pagar impostos federais e a contribuição patronal à Previdência Social. O pedido de atraso consentido no pagamento foi feito pelo presidente da entidade, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, em reunião no Palácio do Planalto com o argumento de que a paralisação dos caminhoneiros prejudicou todas as empresas. O representante das indústrias fluminenses também criticou a adoção de uma tabela de fretes e sugeriu modelo como o usado nos Estados Unidos, que permite aos transportadores repassar o custo.

+ Associação questiona no STF tabelamento de preços do frete rodoviário

Ao presidente Temer, o Vieira disse que é essencial ter 15 dias a mais para pagar o IPI, PIS/Cofins e a parcela patronal da contribuição previdenciária "em função dos impactos provocados pela paralisação dos caminhoneiros". O argumento da entidade é que o movimento dos motoristas gerou "descasamento entre o faturamento e o calendário das obrigações das empresas" de todos os setores.

A Firjan também reclamou da adoção da tabela de fretes. A entidade defendeu que "a manutenção da livre tomada de preço no frete é fundamental para que o setor produtivo não seja ainda mais prejudicado". Aos jornalistas, Vieira disse que o Brasil poderia adotar o modelo usado nos Estados Unidos, onde regras permitem que o transportador possa repassar o aumento de custos, como do combustível, durante a vigência do contrato.

+ Desembargador derruba decisão que suspendeu efeitos da tabela de preços mínimos para frete

Na lista de pedidos dos industriais fluminenses, também estão a reversão de medidas adotadas pela equipe econômica para permitir o subsídio aos caminhoneiros: a entidade pede a manutenção do Reintegra - programa de incentivo à exportação - e também do Regime Especial da Indústria Química (Reiq). Os dois programas foram reduzidos drasticamente e caminham para o fim.

Mais conteúdo sobre:
Firjan imposto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.