Wilton Junior/ Estadão
Wilton Junior/ Estadão

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Firjan pede R$ 22 bilhões a Bolsonaro como compensação pela mudança da capital do Rio para Brasília

'Éramos a capital do Brasil do reinado até a década de 1960. Houve a fusão depois. Nenhuma compensação ao Rio', disse presidente da federação

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2019 | 21h23

BRASÍLIA - O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Eduardo Eugenio Gouvea Vieira, defendeu a compensação histórica pela transferência da capital federal a Brasília como um dos argumentos para pedir ajuda ao presidente Jair Bolsonaro em um plano de investir R$ 40 bilhões no Rio de até 2026.

"Éramos a capital do Brasil do reinado até a década de 1960. Houve a fusão depois. Nenhuma compensação ao Rio", disse. 

Vieira se encontrou com Bolsonaro na tarde desta quinta-feira, 28. Ele foi acompanhado por um grupo de cerca de 40 empresários do Rio. O presidente da Firjan afirmou que também justificaria a ajuda federal a falta de infraestrutura no Estado, especialmente na região da Baixada Fluminense.

A comitiva entregou o documento “Mais Rio, mais Brasil” a Bolsonaro. O estudo recomenda investimentos em saneamento na região metropolitana, que custaria R$ 15,1 bilhões, obras de R$ 11,4 bilhões em linhas do metrô, entre outras. Segundo o presidente da federação, o Rio teria capacidade de investir R$ 18,5 bilhões até 2026. O aporte da União seria de R$ 22 bilhões. 

"Como o Rio está em recuperação fiscal, há limite de investimento", disse. 

Vieira citou Bonn, capital da Alemanha Ocidental, como um paralelo para a compensação histórica. "Lembramos (a Bolsonaro) que Bonn, quando foi a união da Alemanha, recebeu 1 bilhão de euros daquela época, que a população alemã pagou por ter perdido a capital. Relembramos esse fato histórico", afirmou o presidente da federação. Berlim é a capital da Alemanha desde a reunificação do país, em 1990.

"Estamos propondo uma reflexão histórica. Para que autoridades reflitam", disse. 

Atritos com Witzel

Vieira desviou dos atritos entre Bolsonaro e o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC). "Acho que cada um tem o seu temperamento. Não vou entrar no mérito", afirmou. O presidente Bolsonaro tem dito que Witzel mira as eleições presidenciais de 2022 e trabalha para prejudicar a sua família.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.