Fiscais acompanham abates, mas não emitem certificado no RS

Embora tenham entrado em greve hoje, um acordo assegura que os fiscais federais agropecuários do Ministério da Agricultura continuarão fiscalizando os abates nos frigoríficos gaúchos. Eles não irão emitir, contudo, o certificado que permite a exportação dos produtos, informou o presidente da Associação dos Fiscais Federais Agropecuários no Estado, Mário Lopes. A entidade ainda não tem uma avaliação do índice de adesão ao movimento entre os fiscais que atuam no Rio Grande do Sul. Por causa da greve dos fiscais, a Doux Frangosul, que exporta cerca de 80% de sua produção, está estocando os itens destinados ao mercado externo. "Os agentes mantêm os abates dentro da normalidade, mas não estamos conseguindo expedir para a exportação", confirmou o diretor de relações institucionais da indústria, Aristides Vogt. A Doux Frangosul tem capacidade de armazenagem para dois dias de abates. A companhia destina mil contêineres de cinco toneladas para o exterior por mês. O volume exportado não poderia ser redirecionado para o mercado interno, pois a Doux precisa cumprir os contratos no exterior, explicou Vogt. O acordo que mantém a fiscalização dos frigoríficos foi definido hoje entre os fiscais e as indústrias. O Rio Grande do Sul ficou em segundo lugar entre os Estados exportadores de carne de frango em 2003, com o embarque de 530 mil toneladas, atrás de Santa Catarina, que enviou 644 mil toneladas ao exterior. O faturamento da avicultura gaúcha com exportações somou US$ 471 milhões em 2003. A Doux Frangosul lidera o ranking de abates de aves no Estado, com 34%, à frente da Avipal (23%), Perdigão (14%), Penasul Alimentos (5,89%) e Cotrel (5,43%).

Agencia Estado,

15 Março 2004 | 13h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.