Fiscalização é feita pelos funcionários

Dos 112 agentes de inspeção de Mineiros (GO), 104 são empregados formais da BRF

André Borges, O Estado de S. Paulo

25 de março de 2017 | 16h06

A maior parte dos funcionários responsáveis por fiscalizar a qualidade e o cumprimento das exigências sanitárias que envolvem a produção de carnes na BRF está ligada à própria empresa. São seus funcionários diretos. Dos 112 agentes do Serviço de Inspeção Federal (SIF) do Ministério da Agricultura que fiscalizam a unidade de Mineiros (GO), da BRF Perdigão, 104 são empregados formais da companhia, o equivalente a 93% da equipe. Os oito agentes restantes estão ligados ao Ministério da Agricultura e à prefeitura do município goiano.

As informações foram confirmadas ao Estado por Sérgio Dias Nogueira, que é agente do SIF da BRF Perdigão e funcionário direto da empresa. Nogueira atua na área de fiscalização do complexo frigorífico de Mineiros desde a sua fundação, em 2007. A contratação de fiscais pela própria empresa a ser inspecionada é permitida pelas regras brasileiras previstas no Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (Riispoa). Mas isso não é permitido em países como os Estados Unidos, em razão de riscos de conflito de interesse.



Apesar do vínculo empregatício com a BRF, Nogueira afirma que nunca viveu episódio algum de pressão política ou de tentativa para que revisasse qualquer análise sanitária. “Não existe essa pressão, e nem adiantaria eles virem, porque somos um grupo muito fechado”, afirma ele.

Nogueira está entre os funcionários da BRF que acompanharam a auditoria realizada na semana passada por dois técnicos do Ministério da Agricultura. Na ocasião, foram coletadas amostras de frango e de peru para passarem por avaliação, além de documentos guardados na unidade de Mineiros.

Ao todo, a unidade da Perdigão na cidade goiana conta com 2.250 funcionários diretos. A inclusão do complexo na Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, surpreendeu a toda a equipe, diz Nogueira. “Foi um susto muito grande para a gente. Até então, ninguém sabia o que estava acontecendo. Levamos esse baque na sexta-feira (17).”

O fechamento da unidade de Mineiros foi determinado pelo Ministério da Agricultura. Nas investigações da Polícia Federal, o chefe do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal em Goiás (Sipoa-GO), Dinis Lourenço da Silva, foi flagrado em escutas telefônicas negociando com funcionários da empresa a manutenção do frigorífico. Em troca do favor, ele teria solicitado R$ 300 mil para campanha nas eleições municipais de Goiânia, capital do Estado.

Nogueira diz que não conhecia Dinis e que sua equipe não tinha contato direto com o chefe do Serviço de Inspeção. “Se isso ocorria, não chegava até nós. Seria em um nível mais alto, mas não em nosso dia a dia”, afirma.

Em nota, a BRF afirma que cumpre o que foi estabelecido na legislação. "O artigo 102 do RIISPOA (Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal) determina: 'Ficam os proprietários dos estabelecimentos obrigados a: fornecer pessoal necessário e habilitado, bem como material adequado julgado indispensável aos trabalhos de inspeção'. Todos os estabelecimentos de abate de aves no Brasil que trabalham em regime de Inspeção Federal precisam cumprir este regulamento."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.