Brendan McDermid/Reuters
Brendan McDermid/Reuters

Fiscalização mais rigorosa de bagagem de mão tem início em quatro aeroportos

Regras mais rígidas sobre as malas de mão serão adotadas a partir desta quinta-feira, 25, em Brasília, Curitiba, Campinas e Natal; saiba quais são as determinações

Bianca Gomes e Clara Rellstab, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2019 | 15h00

A fiscalização mais rigorosa da bagagem de mão começa a valer nesta quinta-feira, 25, nos aeroportos Juscelino Kubitschek (Brasília), Afonso Pena (Curitiba), Viracopos (Campinas) e Aluízio Alves (Natal), após duas semanas vigorando somente em caráter educativo. No período, os passageiros foram informados sobre as novas determinações acerca das malas de mão.

Agora, antes de passar pelo raio x no embarque, os passageiros seguirão por um setor de triagem, no qual uma caixa será utilizada como medição para determinar se as bagagens estão ou não dentro das dimensões permitidas. Caso não estejam, os passageiros deverão voltar ao check-in e despachar seus pertences.

Apesar de existirem desde 2017, as regras passaram a ser exigidas só agora dos passageiros pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) em 15 aeroportos brasileiros. O objetivo, diz a associação, é agilizar o fluxo de clientes nas áreas de embarque, uma vez que muitos viajantes levam consigo bagagens fora dos padrões definidos, o que pode ocasionar no atraso de voos e traz desconforto aos passageiros. 

A medida será adotada por todas as companhias aéreas nacionais e as dimensões estipuladas são as mesmas em todas elas: 55 cm de altura, 25 cm de largura e 25 cm de profundidade, conforme estipulado pela Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês).

Outros aeroportos

A ação de quatro fases começou a ser implementada no dia 10 de abril, nos aeroportos citados anteriormente. Em 17 de abril foi a vez dos aeroportos de Confins (Belo Horizonte), Pinto Martins (Fortaleza), Guararapes - Gilberto Freyre (Recife) e Val-de-Cans - Júlio Cezar Ribeiro (Belém)

Nesta quarta-feira, 24, a fiscalização educativa passou a ser executada em Congonhas (São Paulo), Santa Genoveva (Goiânia), Salgado Filho (Porto Alegre), Galeão - Tom Jobim e Santos Dumont (Rio de Janeiro). A ação termina no dia 8 de maio, com a inclusão dos aeroportos Luís Eduardo Magalhães (Salvador) e Aeroporto Internacional de São Paulo (Guarulhos).

Datas detalhadas 

10 de abril (educativo) e 25 de abril (definitivo): Juscelino Kubitschek (Brasília), Afonso Pena (Curitiba), Viracopos (Campinas) e Aluízio Alves (Natal)

17 de abril (educativo) e 2 de maio (definitivo): Confins (Belo Horizonte), Pinto Martins (Fortaleza), Guararapes - Gilberto Freyre (Recife) e Val-de-Cans - Júlio Cezar Ribeiro (Belém)

24 de abril (educativo) e 9 de maio (definitivo): Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, Santa Genoveva (Goiânia), Salgado Filho (Porto Alegre), Galeão - Tom Jobim e Santos Dumont (Rio de Janeiro)

8 de maio (educativo) e 23 de maio (definitivo): Luís Eduardo Magalhães (Salvador) e Aeroporto Internacional de São Paulo (Guarulhos)

Confira as regras:

O que é a bagagem de mão e quem tem direito?

A bagagem de mão é aquela transportada na cabine e que é de responsabilidade do passageiro. Todas as pessoas que viajam têm direito a levar uma bagagem de mão, desde que sigam as regras determinadas. Haverá cobrança apenas se o peso e a dimensão extrapolarem o estipulado.  

Quais tamanho e peso a bagagem deve ter?

O tamanho e o peso permitidos da bagagem são os mesmos para as companhias Avianca, Azul, Gol ou Latam, pois todas seguem os padrões definidos pela Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglêS). A bagagem deve medir, no máximo, 55 centímetros de altura x 35 centímetros de largura e 25 centímetros de profundidade. Já o peso, não pode ultrapassar dez quilos. 

E se exceder o tamanho ou peso? 

Se a bagagem ultrapassar as dimensões permitidas, o passageiro precisará despachar a bagagem e pagar a taxa cobrada que varia por companhia.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.