Fisco arrecada R$ 77,9 bi em maio, recorde para o mês

Em relação a abril, no entanto, o recolhimento de tributos no mês passado teve queda de 16,13% 

Célia Froufe e Renata Veríssimo, da Agência Estado,

26 de junho de 2012 | 13h46

BRASÍLIA - A arrecadação de tributos federais em maio totalizou R$ 77,971 bilhões, com um crescimento real de 3,82% em relação a igual mês de 2011. De acordo com a série histórica da Receita Federal, o valor é recorde para meses de maio. O total arrecadado ficou dentro do previsto pelos analistas.

Em relação a abril, no entanto, o recolhimento de tributos no mês passado teve queda real de 16,13%. Em abril deste ano, o governo arrecadou R$ 92,628 bilhões.

A arrecadação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre o fumo subiu 129,73% em maio perante abril. De acordo com a Receita, apenas o tributo incidente sobre o setor foi responsável pelo recolhimento de R$ 632 milhões. Segundo o órgão, houve um aumento expressivo do volume de saída de cigarros dos estabelecimentos produtores em relação a um ano antes.

Nesse mesma base de comparação, o IPI sobre automóveis registrou queda de 24,55%, para R$ 464 milhões. Para a Receita, a redução de 12,20% no volume de vendas no mercado interno em abril ante abril de 2011 e um acréscimo de R$ 71 milhões no valor de compensações no mês passado sobre maio de 2011 explicam o resultado.

O IPI incidente sobre outros itens registrou uma queda de 11,70% nesse período, passando para R$ 1,412 bilhão. De acordo com a Receita, a diminuição deve-se à redução da produção industrial de abril na comparação com abril de 2011 e à desoneração de produtos da linha branca e do setor de imóveis.

Merece destaque ainda a alta de 20,57% da arrecadação do Imposto de Importação (II), que no mês passado foi de R$ 2,740 bilhões. No caso do IPI vinculado à importação, a alta foi de 44,25% no mês, atingindo R$ 1,582 bilhões. O resultado foi decorrente da elevação no valor do dólar sobre as importações, da alíquota efetiva do IPI vinculado e da taxa média de câmbio; além da redução da alíquota efetiva do II.

Já a Cofins apresentou crescimento de 4,56% da arrecadação, para R$ 13,881 bilhões, enquanto a do PIS-Pasesp subiu 2,88% no mês passado, totalizando R$ 3,7 bilhões. Conforme a Receita Federal, o principal fator a influenciar esses resultados foi o crescimento do volume de vendas no mercado doméstico em abril ante abril do ano passado, ao lado do aumento da arrecadação do PIS-Cofins sobre importação.

O ritmo de crescimento da arrecadação de impostos e contribuições federais voltou a desacelerar no acumulado do ano. No primeiro trimestre deste ano, a alta real era de 7,32% em relação a janeiro a março de 2011. Em abril, o aumento no quadrimestre passou para 6,28%. O crescimento real da arrecadação de janeiro a maio foi de 5,83% em relação ao mesmo período do ano passado. A estimativa da Receita é de que os recolhimentos de impostos subam entre 4% e 4,5% este ano em relação a 2011.

Tudo o que sabemos sobre:
Receitaarrecadação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.