Fitch aponta Brasil com risco político "médio"

A agência de classificação de risco Fitch Ratings dividiu 16 países latino-americanos em três categorias, de acordo com seu risco político. Chile, Uruguai, Costa Rica e Aruba integram o grupo de "baixo risco". O Brasil, México, Argentina, Panamá, El Salvador, Peru, Suriname e República Dominicana apresentam "risco médio". Venezuela, Colômbia, Equador e Bolívia, são países de "alto risco" político. FMI descarta postura populista no Brasil Hoje, o diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI), Anoop Singh, disse estar confiante de que o Brasil não adotará uma postura populista no ano eleitoral. Segundo ele, a política econômica do Brasil e a confiança do mercado na política pública brasileira são muito sólidas. Esta percepção é confirmada, de acordo com Singh, pelo risco Brasil - taxa que mede a confiança do investidor estrangeiro na capacidade de pagamento da dívida do país - abaixo dos 400 pontos-base. O diretor do FMI lembrou ainda que o crescimento econômico brasileiro está robusto, recuperando no segundo trimestre. "E, mais importante, temos a inflação de volta dentro da banda da meta, e as expectativas apontam para uma inflação no final do ano para ao redor de 5,1%, além de uma ´overperformance´ do superávit primário", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.