Fitch aprova Selic, mas mostra preocupação com PIB

O diretor de risco soberano para América Latina da agência de classificação de risco Fitch Ratings, Roger Scher, considerou a decisão do Copom de elevar a taxa Selic apropriada, mas disse estar preocupado com o impacto do aumento dos juros sobre o crescimento da economia brasileira neste ano. "Elevar os juros para o nível de 26,5% ao ano em relação ao patamar que se encontravam há seis meses, é preocupante porque terá um efeito sobre o crescimento econômico, além de mostrar como é séria a situação do Brasil atualmente", disse Scher.No entanto, segundo ele, a decisão de aumentar os juros somada à iniciativa de elevar a meta de superávit primário para 4,25% do PIB, mostra a intenção do governo de continuar trilhando o caminho de políticas econômicas saudáveis. Scher tinha uma estimativa de crescimento do PIB brasileiro para 2003 entre 1,5% e 2%. Agora, com o aumento dos juros anunciado hoje, ele acredita que o crescimento deverá ficar no piso da sua projeção. "Além de afetar o crescimento, a decisão do Copom poderá gerar maiores pressões políticas sobre o governo, especialmente de setores do próprio PT", afirmou.Em relação ao impacto do aumento dos juros sobre a dívida, o diretor da Fitch Ratings disse que tudo dependerá de como reagirá o câmbio. "Uma depreciação de 10% na moeda tem maior efeito na relação dívida/PIB do que um aumento de 100 pontos-base da taxa Selic", explicou Scher. "Os riscos de não fazer uma elevação dos juros e ter uma maior depreciação do câmbio seriam maiores para a dinâmica da dívida", disse.Segundo Scher, a decisão de aumentar os juros mostra o compromisso da equipe econômica em combater a inflação. "Eles (autoridades monetárias) estão caminhando numa corda bamba entre não prejudicar o crescimento econômico e combater a inflação", disse o analista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.