Fitch considera "positiva" renovação do acordo com FMI

O diretor senior para finanças públicas da agência de classificação de risco Fitch Ratings, Richard Fox, considerou como "positiva" a decisão do governo brasileiro de renovar o acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). "Talvez o único custo seja o na política doméstica, mas o importante é que está claro para todos que a política econômica do Brasil é formulada pelo governo e não pelo Fundo", disse Fox à Agência Estado. Fox salientou que ainda é preciso conhecer os detalhes do acordo para se elaborar uma análise mais profunda. Ele frisou que ?a realidade financeira é que o Brasil tem uma grande dívida com o fundo, com cerca de US$ 22 bilhões tendo que ser pagos até o final de 2005". Segundo ele, "a manutenção do acordo serve como uma rede de proteção para o Brasil e, ao mesmo tempo, é um passo adiante no processo de desvinculação do País do organismo multilateral.Segundo Fox, a renovação do acordo deverá ter um impacto "apenas na margem" da qualidade do crédito do país. "Teria um impacto maior se o acordo fizesse uma grande diferença na condução da política econômica do País, mas não é o caso", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.