Fitch e S&P avaliam perspectivas de rating após eleição

Fitch e S&P avaliam perspectivas de rating após eleição

Agências de classificação de risco vão acompanhar o anúncio da equipe econômica, as novas medidas e as prioridades

ÁLVARO CAMPOS , FRANCINE DE LORENZO , O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2014 | 02h04

A agência de classificação de risco Fitch divulgou ontem relatório sobre as perspectivas de rating (nota) do Brasil após a reeleição de Dilma Rousseff (PT). Segundo a agência, a presidente provavelmente manterá a continuidade das políticas no seu segundo mandato, apesar de implementar algumas mudanças para ajudar a restaurar a confiança.

No curto prazo, a Fitch diz que vai acompanhar o anúncio de novas medidas e a formação da equipe econômica, "que devem indicar as prioridades da próxima administração".

A Fitch aponta que a capacidade do governo de melhorar as perspectivas sobre a situação fiscal e o crescimento do País é essencial para sua avaliação do rating soberano. "O segundo governo de Dilma vai enfrentar um ambiente macroeconômico desafiador, destacando a necessidade do ajuste de políticas para resolver alguns dos desequilíbrios macroeconômicos que surgiram nos últimos anos."

Segundo a Fitch, a natureza, abrangência e ritmo das possíveis mudanças não são claros no momento. "Nós também acreditamos que resolver problemas relacionados com a maior interferência do governo observada nos últimos anos na forma de uma maior participação dos bancos públicos, intervenções no setor elétrico em 2012 e o fracasso de ajustar os preços internos da gasolina para melhor alinhá-los com os preços internacionais seriam importantes para restaurar a confiança do mercado", diz a Fitch.

Desafio. Um dos principais desafios de Dilma será formar uma coalizão que lhe permita aprovar as reformas necessárias para o desenvolvimento do País, em meio a um Congresso fragmentado, diz a diretora da agência de classificação de risco Standard & Poor's (S&P), Lisa Schineller.

Em um vídeo publicado no site da agência sobre o Brasil, Lisa afirma que Dilma precisará se aproximar tanto de seus apoiadores quanto da oposição. O PMDB, em sua avaliação, será um partido-chave na busca pela aprovação de reformas que possibilitariam aumentar o crescimento, baixar a inflação e promover os serviços sociais.

Fortalecer o crescimento e reduzir a inflação, diz a diretora da S&P, será importante para minimizar as pressões populares. A perda de fôlego da economia brasileira, segundo ela, resulta de uma combinação de fatores, cíclicos, estruturais, internos e externos.

Para este ano, a S&P projeta expansão de menos de 1% do PIB e "não muito mais no próximo". Aumentar a produtividade é essencial para o crescimento, diz a diretora da S&P. O chamado custo Brasil, segundo ela, está inibindo o avanço do País. "O Brasil está enfrentando estagflação e a população está demandando cada vez mais serviços sociais eficientes." Como o Brasil tratará essas questões direcionará a avaliação de rating da S&P, destaca Lisa.

Tudo o que sabemos sobre:
RatingDilmaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.