Fitch eleva classificação de longo prazo em moeda estrangeira do Uruguai para BB

A elevação reflete a maior resistência do Uruguai a choques externos por causa do fortalecimento do quadro da política macroeconômica e um nível historicamente alto de reservas internacionais

Regina Cardeal, da Agência Estado,

27 de julho de 2010 | 16h14

A Fitch Ratings elevou a classificação de longo prazo em moeda estrangeira do Uruguai para BB, de BB-, e a de longo prazo em moeda local para BB+, de BB. A perspectiva dos dois ratings continua positiva. A agência classificadora de risco de crédito reiterou o rating B de curto prazo do Uruguai e elevou o teto do país de BB+ para BBB-.

A elevação reflete a maior resistência do Uruguai a choques externos por causa do fortalecimento do quadro da política macroeconômica, maior flexibilidade do câmbio e um nível historicamente alto de reservas internacionais, diz o comunicado da Fitch.

A perspectiva positiva reflete, por sua vez, a expectativa de que o atual bom crescimento se manterá sustentado pela demanda externa e o investimento, assim como pela continuidade da política sob o novo governo do presidente Jose Mujica que poderá apoiar mais avanços fiscais e na solvência externa do Uruguai, prossegue a Fitch.

"Apesar do alto nível de dolarização financeira, o país não enfrentou pressões do balanço de pagamento ou instabilidade financeira durante o teste de estresse da crise financeira global", diz o comunicado. A conta corrente registrou superávit de 0,8% do PIB e as reservas internacionais cresceram 25% para US$ 8 bilhões (25% do PIB), acrescenta a Fitch. Em 2009, o crescimento de 2,9% da economia do Uruguai superou o da América Latina, lembra a agência.

O PIB per capita elevado, os indicadores sociais superiores e o amplo desenvolvimento institucional são indicadores de solidez de crédito que distinguem o Uruguai na categoria BB, segundo a Fitch. A agência espera que a recuperação do crescimento do Uruguai, de 5,5%, continuará superando a de seus pares de rating em 2010.

Os encargos da dívida geral do governo do Uruguai, que deve atingir 48,6% do PIB em 2010, continuam acima da categoria do rating BB. Além disso, mais de 70% da dívida soberana é denominado em moeda estrangeira - expondo a dinâmica da dívida ao risco de câmbio, pondera a agência. No entanto, uma gestão proativa da dívida reduziu os riscos de financiamento. As amortizações da dívida do governo, em 1,7% e 2,4% do PIB em 2010 e 2011, respectivamente, representam menos da metade da média da classificação BB, explica a Fitch. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.