Brendan McDermid/Reuters
Brendan McDermid/Reuters

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Fitch pode mudar nota do País antes do previsto

Segundo diretora da agência, aumento das incertezas econômicas e políticas põe pressão extra sobre a nota brasileira, que já tem viés negativo

Altamiro Silva Júnior, correspondente, O Estado de S.Paulo

16 de novembro de 2015 | 21h45

O rating soberano do Brasil continua sob pressão, em meio ao aumento de incertezas políticas e econômicas, afirmou a diretora sênior da Fitch responsável pela América Latina, Shelly Shetty, em vídeo divulgado nesta segunda-feira, 16. Piora adicional da economia, deterioração mais acentuada das contas fiscais, escalada da dívida bruta e dificuldades extras na governabilidade podem colocar pressão adicional para o rebaixamento da classificação de risco, diz a diretora.

“A Fitch mantém a perspectiva negativa para o rating, porque acredita que o desempenho fraco da economia e das contas fiscais vai continuar”, afirmou. A agência de classificação de risco não vê a estabilização da dívida do governo e segue vendo riscos de piora em suas projeções para a atividade econômica e as contas públicas. Essas preocupações são amplificadas em meio à volatilidade que tem sido observada no mercado financeiro e à falta de “fluidez política”, acrescentou.

Na Fitch, a perspectiva negativa em um rating indica chance “acima de 50%” de rebaixamento da nota entre 12 a 18 meses. Mas Shelly destacou, no vídeo que dura pouco mais de três minutos, que uma mudança na nota do País também pode ocorrer em período mais curto que o esperado pelas regras da agência, dependendo do que ocorrer na economia analisada. “Vamos continuar monitorando os desdobramentos políticos, econômicos e fiscais no Brasil”, disse.

“O cenário econômico brasileiro está se tornando mais desafiador”, disse Shelly, destacando que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve encolher 3% este ano e mais 1% em 2016. “As perspectivas de crescimento de médio prazo também são fracas, comparadas a outros grandes mercados emergentes.”

Shelly explica no vídeo que três fatores principais contribuíram para o rebaixamento da nota soberana do País, anunciada em 15 de outubro: piora do cenário econômico, dificuldade em seguir com o ajuste fiscal e a difícil situação política.

A falta de avanço no ajuste tem impedido a melhora dos números fiscais e o cenário político turbulento tem dificultado o avanço da agenda econômica do Planalto e contribuído para elevar ainda mais a incerteza.

Desemprego. Shelly também chamou atenção para o fato de que o aumento da taxa de desemprego do Brasil, o “colapso” do investimento privado e a dificuldade de expansão do crédito mostram as dificuldades que o governo de Dilma Rousseff enfrenta para fazer a economia voltar a crescer.

A previsão da Fitch é de que o déficit siga elevado este ano e no ano que vem, e a relação dívida bruta/PIB bata em 70% em 2016 e siga crescendo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.