Fitch rebaixa rating da dívida de Portugal

Fitch rebaixa rating da dívida de Portugal

Agência reavaliou o país na véspera da cúpula da UE e de uma votação de cortes de gastos no Parlamento português

Andrei Netto, O Estadao de S.Paulo

25 de março de 2010 | 00h00

CORRESPONDENTE / PARIS

Antes mesmo de debelar a crise na Grécia, a União Europeia ganhou ontem mais um motivo de preocupação: Portugal. A agência de classificação de risco Fitch, uma das três que balizam o mercado financeiro internacional, rebaixou a nota dos títulos da dívida do país, de AA para AA-, prevendo ainda um viés negativo para os próximos meses.

A decisão já era esperada desde dezembro, quando o governo socialista de José Sócrates admitiu que o déficit público subiu de 2,8% para 6,7% entre 2008 e 2009, aumentando a insegurança sobre a solvência da economia do país. Segundo comunicado da agência, a decisão tem relação direta com o desempenho orçamentário do país e com "eventuais consequências da crise sobre a economia portuguesa e sobre suas finanças públicas a médio prazo, causada pela fragilidade estrutural do país e seu forte endividamento".

A relação entre a dívida e o Produto Interno Bruto (PIB) está em 77,4% e Portugal estourou os limites do Pacto de Estabilidade da União Europeia ? que fixa em 3% o déficit máximo de um país e em 60% a relação dívida/PIB.

As perspectivas para os próximos dois anos, segundo a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), são ainda mais desanimadoras: déficit de 7,6%, podendo chegar a 7,8% em 2011, e endividamento de 77,4% em 2010 ? cerca de ? 125 bilhões ? e de 84,6% no ano que vem.

Outro fator que teria pesado contra Portugal seria a perspectiva limitada de expansão. Depois de enfrentar a estagnação em 2008 e de ver sua economia encolher 2,8% em 2009, o país tem dificuldade em acelerar a atividade. De acordo com projeções da OCDE, Portugal crescerá 0,8% neste ano e 1,5% em 2011. "Mesmo que Portugal não tenha sido afetado além da medida pela crise mundial, as perspectivas de retomada econômica são mais fracas do que para os outros 15 membros da zona do euro", disse Douglas Renwick, diretor associado da Fitch Sovereign Team.

Para conter a degradação das contas públicas, o parlamento português deve votar hoje o Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC), que prevê cortes de gastos ? esforço similar ao realizado pela Grécia há um mês. Entre as medidas estão o congelamento dos salários do funcionalismo por quatro anos, e a redução dos programas sociais e dos planos de investimentos.

Além da votação no parlamento, o rebaixamento da nota de Portugal foi anunciado na véspera da reunião de cúpula da União Europeia, que deverá deliberar sobre o auxílio à Grécia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.